Tablet é mais leve que o primeiro, mas tem processador, câmera e outras configurações praticamente iguais

Além de todas as principais empresas de tecnologia lançarem novos modelos de tablets no mercado, elas também correm para atualizar os primeiros modelos lançados. Entre o final de 2011 e início deste ano, diversos modelos surgiram em novas versões.

No caso da Motorola, o tablet Xoom 2 chegou tão rápido que mal teve tempo de aproveitar novidades mais poderosas que já estão em modelos de outros fabricantes. O design, peso e tela são melhores que os da primeira versão, mas a parte interna é praticamente igual. Veja na análise do iG o que mudou e se vale a pena comprar a segunda versão do tablet:

Prós:

• Tablet leve para seu tamanho;
• Possui conexão HDMI;
• Tela brilhante e de ótima definição.

Contras:

• Processador similar ao do primeiro Xoom;
• Botões de volume e energia mal posicionados;
• Utiliza chip microSIM;
• Não oferece cabo HDMI, nem fones de ouvido.

Design

Se você leu o teste do iG sobre o Xoom 2 Media Edition , já sabe bastante sobre o Xoom 2. Assim como seu irmão menor, seu design lembra o do smartphone Razr, também da Motorola. Ao invés de ser totalmente retangular, o MZ616 possui as extremidades ligeiramente “dobradas”, o que ajuda na hora de segurar o aparelho nas mãos. Ele não é pesado: são 600 gramas, 130 a menos que seu antecessor.

A frente é dominada pela tela de 10.1 polegadas, junto com a câmera, um sensor e o microfone. As laterais são muito finas para dispor de botões, mas acima ficam o sensor infravermelho e a entrada para fones. A parte de baixo abriga as conexões micro USB e microHDMI, além da entrada para o chip SIM – que, vale lembrar, é microSIM – e o cartão de memória microSD.

A traseira tem uma parte em metal cinza, uma em plástico cinza e outra emborrachada, na parte onde o usuário segura o aparelho. A câmera e seu flash, duas saídas de som e o botão de energia e volume, extremamente mal posicionados, também ficam na parte traseira. É um “jogo de gato e rato” tatear com os dedos para tentar achar os desejados botões. Haja paciência!

O design e o acabamento não foram pensados apenas para a beleza, mas também para a segurança. O tablet ganhou a cobertura Splash-Guard, que evita que respingos prejudiquem seu funcionando. Vale lembrar que essa proteção extra não funciona se o aparelho for mergulhado em uma piscina ou um copo de café caia sobre ele.

Tela

A tela capacitiva multitoque é muito boa. Com 10.1 polegadas e definição de 800 x 1280 pixels, ela é perfeita para assistir a filmes de alta resolução. É quase impossível perceber os pixels no display de 16 milhões de cores, que também tem brilho ótimo, mesmo não sendo equipada com a tecnologia Amoled.

Enquanto a tela do primeiro Xoom tinha a tecnologia TFT, o Xoom 2 traz tela HD-IPS, permitindo a visualização de ângulos bem abertos. Há também o vidro Gorilla Glass, que protege contra riscos e batidas.

Hardware e processamento

Nesse quesito também houve melhora no novo Xoom, embora não muito perceptível. Há um aumento de 0.2 MHz no processador, pois o Xoom 2 traz um Cortex-A9 de 1.2 GHz dual core. A memória RAM é igual a da versão anterior, com 1 GB.

Nem por isso o Xoom 2 deixa de apresentar um conjunto e tanto de processamento, que garante multitarefa suave e reprodução de vídeos sem problemas. Jogos como “Need for Speed: Hot Pursuit” rodaram sem problemas.

No que diz respeito às conexões sem fio, não há do que reclamar. O novo modelo possui 3G, Wi-Fi, função de Wi-Fi hotspot – que permite dividir a conexão com outros aparelhos -, A-GPS e Bluetooth 2.1 – para conectar fones e outros periféricos.

Quanto a sensores, ele arrasa: possui acelerômetro, giroscópio, bússola e o já tradicional barômetro, que mostra a temperatura - presente também nas outras versões do Xoom. Um sensor infravermelho serve para aplicativos de controle remoto.

Sistema operacional e usabilidade

Já estamos acostumados ao Honeycomb – nesse caso, a versão 3.2.2 –, o sistema Android feito para tablets. Como está prometida uma atualização da primeira versão do Xoom para o Android 4.0 ou Ice Cream Sandwich, ficamos na espera de que também o Xoom 2 ganhe a atualização.

Sistema operacional Android 3.2 do Xoom já vem com aplicativos pré-instalados
Stella Dauer
Sistema operacional Android 3.2 do Xoom já vem com aplicativos pré-instalados
O sistema tem poucas alterações e não há nem a presença do Blur, interface da Motorola que gera polêmica a respeito de sua utilidade. Cores escuras, transições mais adequadas para grandes telas e ícones e menus foram melhor projetados para atender as necessidades de tamanho e usabilidade.

A tela responde bem ao toque, e o teclado virtual Qwerty na tela de 10.1 polegadas é espaçoso, apesar de não servir para digitar com as duas mãos, nem com o aparelho na vertical.

Nas configurações, nenhum problema, há apenas o necessário. Enquanto a Samsung costuma colocar dezenas de opções para serem configuradas, a Motorola se ateve ao essencial, deixando a tarefa de ajeitar o tablet mais fácil.

Por outro lado, o Xoom 2 não se conecta ao computador como um pen-drive, como outros tablets. O aplicativo MotoCast precisa ser instalado e isso pode levar alguns bons minutos, já que exige downloads e até a criação de um cadastro. Se por um lado ele permite fazer o streaming de músicas e vídeos de um computador para o aparelho, de outro exige que você o instale cada vez que quiser conectar seu tablet em algum computador.

Aplicativos

O Xoom 2 já vem forrado de aplicativos de todos os tipos: são demos dos jogos “Need for Speed: Hot Pursuit” e “N.O.V.A 2 HD”. Para entretenimento, traz o “Saraiva Digital” e “Netflix”, que permite ver filmes online, e o “Dijit”, que funciona como controle remoto.

Para produtividade, há o “Citrix”, “Fuze Meeting”, “Polycom”, “Evernote”, “Tradutor”, “Dropbox” e “QuickOffice HD”, um pacotão muito útil. Há também os aplicativos nativos do Android, entre eles navegador GPS, YouTube, Gmail e Google+. A Motorola embarca no aparelho o MotoCast e o MOTOACTV.com, para uso durante a prática de esportes.

Câmera

O tablet não é o melhor aparelho para se tirar fotos ou filmar vídeos, mas se ainda assim você faz questão de uma câmera, o Xoom 2 possui duas. A traseira conta com sensor de 5 megapixels, autofoco e flash de LED (o do Xoom era duplo). Há ajustes básicos como ajuste de branco, efeitos de cores e cinco cenas. O menu é simples.

Ela serve para registros simples, ou seja, não substitui sua câmera compacta. As imagens realizadas com o Xoom 2 tem cores vivas, mas a acuidade e qualidade das fotos, mesmo em sua resolução máxima, não ficam muito boas. O zoom é apenas digital e muito ruim.

O tablet também faz vídeos, em alta resolução (720p a 30 frames por segundo). Ele ajusta cor e foco sozinho, mas, mesmo em situações de muita luz, apresentou granulado na imagem. A câmera frontal tem sensor de 1.3 megapixels e seu objetivo principal são os chats por vídeo.

Música e mídia

O player de vídeos é o de sempre do Android e, apesar de reproduzir formatos como MP4, WMV, H.263, H.264 e MKV, não funciona com todos os esperados. Para isso, basta baixar outro aplicativo. O player de música também é o de sempre, bem básico, valendo a pena trocá-lo por um aplicativo mais completo.

Xoom 2 possui câmera traseira de 5 megapixels e acabamento emborrachado nas laterais
Reprodução
Xoom 2 possui câmera traseira de 5 megapixels e acabamento emborrachado nas laterais
O som é alto, mas poderia ser melhor. Na Media Edition do Xoom 2, os altofalantes estéreo são invejáveis. O Xoom 2 fica apenas com duas saídas de som traseiras, que garantem o estéreo, mas não a qualidade. Já com fones de ouvido, que não acompanham o produto, não há do que reclamar.

Tablets com conexão HDMI já estão se tornando um costume e um padrão. É difícil ver um aparelho com tela grande que não venha com essa tecnologia. E, uma vez que possui HDMI, significa que o tablet reproduz vídeos em Full HD, tanto em sua tela como conectado a uma TV de alta definição.

Bateria e armazenamento

Foram mais de cinco horas para carregá-lo completamente, quase uma eternidade. Mas, isso é bem menos do que o tablet da Apple. Apesar disso, com pouco uso, ele pode chegar a três dias de bateria. Em uso normal, com Wi-Fi (e 3G algumas vezes durante o dia) garantem aproximadamente sete horas de autonomia, no máximo.

O Xoom 2 vem com armazenamento interno de 32 GB, mas a Motorola também possui um modelo com 16 GB. Ao contrário do primeiro Xoom não há modelo de 64 GB. A Motorola envia junto um microSD de 2 GB para você logo pensar em comprar um mais espaçoso. A entrada para cartão suporta até 32 GB extras.

O que vem na caixa

A caixa desse tablet é minimalista. A Motorola costuma mandar diversas coisas junto com seus produtos, mas esse não é o caso por aqui. Além do aparelho, o usuário encontrará manuais, carregador, cabo USB e o cartão de 2 GB. Uma vez que possui conexão HDMI, um cabo para esse uso poderia ter vindo junto, já que é caro. Fones de ouvido também não fariam mal a ninguém.

Para quem é

Se você curte os produtos da Motorola, ele é a opção natural de quem já teve o Xoom ou que deseja um produto da marca. Sua tela grande permite diversos usos para o aparelho, desde jogos a filmes. A qualidade de algumas funções não é 100%, mas ele é completo no que é exigido de um tablet: processamento, boa tela, conexão HDMI, câmera e conexões sem fio variadas. É um concorrente forte dos tablets da Acer e Asus, mas não bate o Samsung Galaxy Tab 10.1.

Ficha técnica

Motorola Xoom 2

Preço: R$ 1.900 (versão Wi-Fi + 3G com 32 GB de memória)

Especificações: tela de 10.1 polegadas com resolução de 800 x 1.280 pixels, sistema operacional Android 3.2, processador Cortex-A9 de 1.2 GHz com dois núcleos, memória de até 32 GB (acompanha cartão de 2 GB), câmera de 5 megapixels com flash, conexão Wi-Fi, 3G e Bluetooth 2.1, GPS

Dimensões: 25,4 x 17,3 x 0,9 cm
Peso: 603g
Autonomia de bateria: até 7h em uso intenso
Itens inclusos: aparelho, manuais, carregador, cartão micros e cabo USB.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.