Aparelho da Samsung tem tela especial para caneta e vários aplicativos de desenho e escrita

Em um mercado abarrotado de tablets de vários fabricantes, as empresas de tecnologia precisam colocar a cuca para funcionar e se destacar de alguma forma. E a Samsung resolveu apostar na caneta digital para se diferenciar neste mercado com o Galaxy Note 10.1 (R$ 1.800).

Veja mais análises de tablets

Esse aparelho traz caneta, tela e aplicativos especiais para desenhos e anotações. Mas esses não são seus únicos destaques. O aparelho roda um processador quad-core e tem excelente memória para executar aplicativos. Confira o teste.

A favor:

• 2 GB de memória RAM, valor acima da média;
• Tela especial para escrita e desenho;
• Possui 3G e slot para cartão de memória;
• Processador poderoso.

Contra:

• Um pouco grosso para um tablet;
• Acabamento poderia ser melhor;
• Não possui conexão HDMI;
• Baixa resolução de tela para o tamanho que tem.

Design

O Galaxy Note 10.1 possui um visual mais acinzentado e mais brilhante do que tablets concorrentes. Infelizmente, seu acabamento é todo em plástico, o que dá uma impressão de descuido. A cor do plástico, porém, é bonita: cinza escuro imitando aço escovado na traseira e cinza fosco nas bordas e detalhes do aparelho.

O aparelho pesa 600 gramas e tem quase um centímetro de espessura. Por ser muito brilhante, ele pode escorregar das mãos, mas suas bordas muito arredondadas ajudam no apoio, garantindo alguma segurança.

Corpo do Galaxy Note 10.1 é feito de plástico
Stella Dauer
Corpo do Galaxy Note 10.1 é feito de plástico

Na frente encontramos a tela, que é emoldurada por plástico cinza escuro e duas saídas de som, e também sensor de luz e uma câmera frontal. Nas laterais não há nada.

Na parte inferior há a conexão proprietária e um microfone. Já na parte superior estão o botão de energia, os de volume, conexão para fones de ouvido, sensor infravermelho e tampas que protegem a entrada do cartão de memória e do chip SIM.

Na traseira, além da marca da Samsung e informações sobre o produto, temos a câmera e um flash de LED, ambos em cima de plástico cinza fosco. Ele é um bonito tablet, e se tivesse partes em metal, seria melhor ainda.

Tela

A tela é boa, mas tem seus poréns. Apesar de abrigar a tecnologia inovadora do toque pela caneta, ela possui uma resolução mais baixa do que a de modelos na mesma categoria de preço. Suas 10.1 polegadas têm somente 800 x 1280 pixels, não sendo Full HD. Além disso, em uma tela grande como essa, a densidade de pixels fica apenas em 149 ppi. O iPad, por exemplo, tem 264 dpi.

As cores são muitas e boas (16 milhões), mas nada de AMOLED por aqui, e sim uma TFT capacitiva. Aliás, a tela não parece capacitiva, uma vez que o dedo afunda quando apertamos. Porém, a tecnologia é a Super PLS (Plane-to-Line Switching), que teoricamente é melhor do que a IPS, aumentando o ângulo de visão, que é de quase 90 graus, e também o brilho e a qualidade. Os pixels são visíveis, mas a tela realmente ela é brilhante e colorida.

Hardware e processamento

Alguns usuários relataram problemas de travamento e lag no uso do sistema da caneta, mas aqui temos um conjunto de respeito. Nada mais, nada menos do que um processador Cortex-A9 de quatro núcleos com 1.4 GHz, GPU Mali-400MP, chipset Exynos 4412 e 2 GB de RAM. Nada mau, não? Com uma das melhores pontuações que já vi, o Tab 10.1 alcançou 5.319 pontos no benchmark do Quadrant Standard, deixando para trás concorrentes como o Asus Transformer Prime, Razr HD e até o próprio Galaxy S III .

Testamos o tablet com o jogo The Dark Knight Rises e o resultado foi ótimo, sem qualquer travamento ou problema. Na hora de desenhar ou escrever, tudo normal também, lembrando que a tecnologia da caneta não é tão rápida como a de mesas digitalizadoras.

O navegador suporta HTML5 e Flash, enquanto o sistema aceita Java via emulador MIDP. Entre as conexões sem fio, temos Wi-Fi 802.11 a/b/g/n (de duas bandas, pode detectar diferentes tipos ao mesmo tempo), Wi-Fi Direct, Wi-Fi hotspot, Bluetooth 4.0 com A2DP (para conexão de periféricos como fones sem fio), infravermelho e GPS com A-GPS (apoio da rede celular) e GLONASS (rede de satélites russos).

O conector é proprietário da Samsung. O Galaxy Note 10.1 tem suporte ao protocolo USB Host, que permite a conexão do tablet com periféricos com fio como teclados, mouses e, em alguns casos, dependendo do aplicativo utilizado, até câmeras e discos externos. Os sensores presentes são acelerômetro, giroscópio e bússola digital.

Sistema operacional e usabilidade

A versão do Android embarcado no Note 10.1 é a Ice Cream Sandwich, 4.0.4, mas já está prometida a atualização para o Jelly Bean 4.1. A ICS é uma versão bem estável e ótima para tablets, contando também com a TouchWiz UI, interface da Samsung que fica por cima do Android. Ela é colorida, lúdica, vibrante, realmente chama a atenção.

Conheça as novidades do Android 4.2

Há o recurso de Economia de energia, que quando ligado executa diversos ajustes para que a bateria dure ainda mais. A empresa também coloca um botão de para capturar imagens da tela na barra inferior do sistema, junto com os botões padrão do Android (voltar, home e gerenciador de tarefas), e tem também uma segunda barra de aplicativos, que mostra app úteis como alarme, calculadora, email e outros.

O Galaxy Note 10.1 traz movimentos especiais como aumentar o diminuir a imagem segurando o tablet para frente e para trás. Outro movimento mostra todas as janelas abertas quando fazemos o gesto de pinça na home ou na área de aplicativos. Nos aplicativos, você também pode escolher, manualmente, a ordem em que os apps serão mostrados, podendo deixar os mais usados no começo e até esconder os que não quiser.

Um recurso interessante colocado pela Samsung é a multitela. Em alguns apps, como o S Note, você pode dividir a tela pela metade e abrir outro aplicativo, como por exemplo a galeria. Muito útil para copiar um desenho ou para ver um filme enquanto executa outra ação. O Swype também já vem no tablet: não é muito útil para enormes telas, mas quebra um galho. E falando em teclado, são três tipos, de tamanhos e disposições diferentes, para que você escolha o melhor.

S-Pen e a tela especial

Esqueça os desenhos que você brincava de fazer nos tablets normais, com aquelas canetas estranhas com pontas grossas de borracha. Aqui, temos um aparelho que começa a se aproximar, em alta velocidade, da qualidade do produto que originalmente chamávamos de tablets, as mesas digitalizadoras. Muito utilizadas por profissionais de arte, design e ilustração, elas possuem alta precisão no bico da caneta especial.

E é mais ou menos uma mesa digitalizadora que o Tab 10.1 emula. Eu digo emula pois ela não é tão precisa e nem tão perfeita quanto uma Wacom, mas ainda assim, a diferença é gigante em relação a outros tablets. A tela possui uma tecnologia especial para responder à caneta, chamada S-Pen, que também é especial. Nem tente usar outra caneta, mas pode usar os dedos, também (ainda bem, né?).

Caneta digital é diferencial do Galaxy Note 10.1
Stella Dauer
Caneta digital é diferencial do Galaxy Note 10.1

Ela é bem precisa, e garante boa escrita e bons desenhos, desde que você se esforce para isso. No tablet já vêm inclusos aplicativos que fazem da S-Pen algo muito útil.

A resposta não é muito rápida, mas o toque da caneta na tela é macio e diferente das demais. Quando você está usando a caneta na tela, o tablet percebe e impede que seu braço ou pulso interajam com o aparelho.

A S-Pen é confortável e ergonômica, embora um pouco pequena na mão, podendo atrapalhar algumas pessoas. Um botão em seu corpo permite alguns gestos: apertar e rolar para a esquerda volta, para baixo abre o menu. Se apertar e manter assim, tira um screenshot.

Como a tela percebe diferentes tipos de pressão, a ponta da S-Pen é feita para evitar riscos na tela, pode apertar à vontade. Além disso, o aparelho percebe a caneta antes mesmo de encostá-la na tela, coisa que se revela bem útil em alguns apps. Isso mostra que o verdadeiro forte do Tab 10.1 é mesmo sua qualidade de toque e escrita.

Aplicativos

São muitos os aplicativos já inseridos no tablet. Além dos do Google, temos alguns do sistema, outros da Samsung e alguns muito especiais. Entre os da Google, temos Chat em Grupo, GmailGoogle+, GTalk, Latitude, Locais, Mapas, Navegador GPS, Play Store e YouTube. Já o sistema traz Alarme, Calculadora, Contato, E-mail, Horário mundial, Internet, Manual do usuário e Meus arquivos.

A Samsung colocou apps úteis no aparelho: AllShare Play para compartilhar mídia sem fio com outros equipamentos eletrônicos; ChatON, que é tipo um messenger para usuários do app, no estilo WhattsApp; Criador de vídeos, que edita os vídeos que você fez com a câmera; Game Hub, portal para venda de jogos mobile ainda em fase de testes; e o Smart remote, que junto ao infravermelho controla diversos dispositivos de mídia, como TVs, Blu-Ray, entre outros.

Há também outros muito úteis como o Dropbox, a suíte Polaris Office, a agenda S Planner, S Suggest (esse não tão útil, sugere apps e jogos para você), Samsung Apps (como uma outra loja de apps, que exagero) e o Video Hub, onde você compra e assiste filmes e seriados. A Samsung também manda o demo do jogo Spiderman e o completo Crayon Physics, bom para usar com a caneta.

Entre os destaques, temos o S Note, que é o app especial para ser utilizado com a S-Pen, e é cheio de recursos. Além de diversos tipos de folhas para escrever, ele também pode reconhecer formas geométricas e texto e transformar automaticamente em textos e figuras retas. São diversos tipos de escrita, como pincel, lápis, marcador, além de cores e até gravação do desenho, como em um passo-a-passo.

Outro aplicativo muito bom é o Photoshop Touch, o editor de imagens que a Adobe transportou para tablets. E funciona muito bem! Obviamente não tem a complexidade do aplicativo para computadores, mas já tem mais recursos do que eu esperava. Temos camadas, efeitos, tamanho da imagem, tamanho dos pincel, seleção, ferramenta mágica e até ajustes como balanço de cores, carimbo, blur, troca de cores e muito mais. Um ótimo app!

Câmera

Câmeras em tablets são uma coisa bizarra, mas quando menos esperamos estamos lá, precisando de uma. E aqui temos duas, uma frontal e uma traseira. Porém, é válido acrescentar que câmeras não são importantes para tablets como são para smartphones (que "pretendem" substituir as câmeras compactas), e por isso não costumam ser boas.

Aqui, temos uma câmera traseira de 5 megapixels, com flash de LED, foco automático e geotagueamento. Já é bastante coisa. A qualidade das fotos é bem satisfatória para o conjunto óptico apresentado. Em boa luz, as cores se mostraram intensas (às vezes, até estouradas), os detalhes ficaram bons e o macro é eficiente.

Câmera traseira tem 5 megapixels
Stella Dauer
Câmera traseira tem 5 megapixels

Entretanto, apesar de todas as vantagens, ainda percebemos uma espécie de névoa na frente da imagem, até mesmo quando capturada sob o sol. Em pouca luminosidade há granulação, mas bem menos do que o esperado.

Em uma tela de 19 polegadas, as fotos tiveram boa apresentação, e podem até ser impressas em papel fotográfico 10 x 15 sem problemas.

São muitos os ajustes na câmera. Há controle de flash, de disparo (são seis tipos, incluindo um que detecta o rosto do seu amigo e instantaneamente compartilha a foto com ele e outro de panorama, não muito bom), três efeitos, valor de exposição, doze cenas, modo de foco (o macro é bem interessante), controle de branco, ISO, escolha de ponto de medição, entre outros.

Já a gravação de vídeo não é recomendada. Além de não gravar em Full HD, mas apenas em HD (720p), a qualidade deixa muito a desejar. A captura do som é até razoável, mas gravação é granulada e com pouca acuidade. Há também uma câmera frontal, de 1.9 megapixels, que também é HD, mas é mais utilizada em chamadas por vídeo.

Música e mídia

Música é uma boa vantagem no Tab Note 10.1. O som interno é de qualidade com os fones intra-auriculares brancos que acompanham o produto (os fones também possuem microfone e botão de atender chamada), sem ser muito alto, mas bem equilibrado. O som externo, graças aos alto-falantes estéreo que ficam do lado da tela (quando na horizontal) são fenomenais, muito bons. A sensação de profundidade é intensa e muito boa quando segurado na mão.

O tablet reproduz vídeos em Full HD sem qualquer problema, mas a qualidade da reprodução não é muito boa. Ele não possui conexão HDMI, mas a tela acaba quebrando um galho para assistir filmes na cama, na mesa etc. Há um ajuste especial de som no player de vídeo, que melhora o áudio para filme, e simula até o sistema 7.1. Assim como na música, o som é maravilhoso para vídeos.

Bateria e armazenamento

A bateria do Note 10.1 tem 7000 mAh. Para se ter uma ideia, o Raxx Maxx (smartphone com bateria mais duradoura) tem uma de 3300 mAh. Logicamente, precisamos aqui de uma bateria mais potente para aguentar a enorme tela, a tecnologia de escrita, processador quad core, o 3G, entre outros. A capacidade é impressionante, mas não chega perto dos 11.560 mAh do iPad 4.

Ainda assim, a duração é melhor que a do tablet da Apple, aguentando mais de um dia de uso moderado, com checagem de email, alguns jogos e Wi-Fi ligado. Se deixar ele bem quieto, passa de três dias. Sob uso intenso, como reprodução de filmes e jogos pesados, ele chega a 9 horas. São números ótimos para uma tela desse tamanho.

Quanto ao armazenamento, sem reclamações. Temos espaço interno de 16 GB (dos quais, 11,7 GB estão disponíveis ao usuário) e slot para cartão de memória, que aguenta mais 64GB. São 80GB de sobra para colocar filmes, jogos, aplicativos, músicas, fotos... enfim, o que você quiser. Há também versões de 32GB e 16GB.

O que vem na caixa

A caixa do Note 10.1 é cheia de acessórios. Abaixo do tablet, sob uma tampa de papel, encontramos um carregador de viagem, cabo USB com conexão proprietária do tablet, a caneta especial S-pen, um conjunto de três ponteiras reserva, uma ferramenta em forma de anel que ajuda na substituição da ponteira, um pequeno guia rápido, fones de ouvido intra-auriculares e borrachas de tamanhos variados para os fones.

Para quem é

Quem procura um tablet poderoso e com tela enorme, está aí o Note 10.1 como opção. Além disso, ele se diferencia dos outros por possuir uma tecnologia especial na tela, que deixa escrita e desenho muito mais precisos. É um tablet de preço elevado e pesado, mas com certeza irá agradar os que procuram produtos topo de linha. 

Ficha técnica

Samsung Galaxy Note 10.1 16 GB 3G GT-N8000

Preço: R$1.800
Configuração: tela de 10.1 polegadas e resolução de 800 x 1280 pixels, sistema Android 4.0.4 Ice Cream Sandwich, processador Quad-core 1.4GH Cortex-A9, GPU Mali-400MP, chipset Exynos 4412, 2GB de RAM, armazenamento interno de 16 GB e slot para cartões de até 64GB, câmera de 5 megapixels com flash, Wi-Fi a/b/g/n, Bluetooth 4.0, Wi-Fi hotspot, GPS com A-GPS e Wi-Fi Direct.
Dimensões: 26,2 x 18 x 0,9 cm
Peso: 600 gramas
Autonomia de bateria: 9 horas de uso, 72 horas em stand-by
Itens inclusos: tablet, cabo USB, carregador. pequeno manual, par de fones intra auriculares, borrachas de tamanhos diferentes para os fones, ponteiras extras para a caneta e argola de reposição de ponteiras.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.