Galaxy Tab 10.1 é o melhor tablet com Android do mercado

Aparelho da Samsung se equipara ao iPad em itens como design e desempenho

André Cardozo, iG São Paulo |

O mercado de tablets é dividido atualmente em dois lados: em um deles está, sozinho, o iPad 2 , líder disparado na categoria. Do outro lado estão dezenas de tablets de variados tamanhos e fabricantes, quase todos com o sistema Android, do Google.

O Galaxy Tab 10.1, da linha Samsung Galaxy , é, sem dúvida, o melhor tablet com Android do mercado. Ele pode não ser o suficiente para atrair quem adora a simplicidade e a elegância do iPad, mas é a melhor opção para quem quer um tablet e não gosta das restrições impostas pela Apple. O preço sugerido de R$ 1.999 deixa o Galaxy Tab na mesma faixa de preço do iPad 2 equivalente (com 3G e 16 GB), que custa R$ 2.049. O iG testou o aparelho e você confere a análise a seguir.

Características físicas

Getty Images
Galaxy Tab 10.1: tão leve e fino quanto o iPad 2
A Samsung caprichou no corpo do Galaxy Tab 10.1. O aparelho tem menos de 9 milímetros de espessura e pesa 565 gramas. Nos dois casos, o aparelho leva uma pequena vantagem sobre o iPad 2. A diferença não é grande a ponto de ser percebida pelo usuário, mas garante que o Galaxy Tab esteja no mesmo nível do tablet da Apple e acima de seus concorrentes com Android em termos de design.

O corpo do aparelho tem apenas três botões, um liga/desliga e dois para o controle de volume. Além disso, há entrada para fone de ouvido e um conector próprio para carregamento de bateria e conexão via USB.

Como o nome indica, o tablet da Samsung tem tela de 10,1 polegadas e resolução de 1.280 x 800. Ela tem excelente taxa de brilho e responde muito bem aos gestos do usuário, uma característica fundamental em um tablet.

A tela do Galaxy Tab não tem nenhum botão físico. Quatro ícones fixos (voltar, home, aplicativos abertos e captura de tela) ficam no canto inferior esquerdo. No canto inferior direito fica a área de notificações do Android, que exibe as últimas mensagens dos programas instalados pelo usuário (novos e-mails, mensagens de redes sociais, compromissos de agenda etc.)

Hardware

O Galaxy Tab 10.1 vem com um processador de dois núcleos Nvidia Tegra 2, de 1 GHz. Esse chip moderno faz com que o aparelho raramente “engasgue”, mesmo com vários aplicativos abertos. Durante os testes do iG , houve alguns pequenos “engasgos” ao navegar entre as telas de aplicativos, mas nada que comprometesse o uso do aparelho.

O tablet traz também duas câmeras, uma para videoconferências (2 megapixels) e uma para fotos (3,2 megapixels). Além disso, tem 16 GB de memória para armazenamento de dados. A memória é suficiente para a maioria dos usuários, mas pode ser pouca para quem quer ver muitos vídeos no tablet. Infelizmente, não há entrada para cartões de memória nem versões com mais espaço para guardar arquivos.

Nos testes do iG , a bateria do Galaxy durou cerca de 10 horas em uso contínuo. É uma excelente marca e equivale à duração da bateria do iPad 2.

Software

O Galaxy Tab roda a versão 3.1 do Android e a interface é similar a de outros tablets com o sistema. A janela principal traz os ícones dos aplicativos mais usados e basta deslizar a tela para acessar outras áreas com aplicativos.

Diferentemente do iPad, em que todos os ícones de aplicativos são do mesmo tamanho e distribuídos igualmente pela tela, no Android muitos aplicativos têm áreas maiores, com mais informação. Aplicativos como os de previsão do tempo, YouTube, e-mail e outros ocupam espaço maior .

Divulgação
Na configuração padrão do Honeycomb, aplicativo de clima ocupa uma boa parte da tela
Um ponto positivo desse recurso é que é possível ver mais informação na tela sem ter que abrir cada aplicativo. Por outro lado, a interface pode ficar “congestionada” demais e confundir usuários mais leigos. É possível redimensionar e mover os blocos de cada aplicativo facilmente, mas isso gera uma tarefa extra para o usuário e pode confundir pessoas com menos intimidade com produtos de tecnologia.

Um grande diferencial do Galaxy Tab em relação ao iPad é a transferência de conteúdo a partir de computadores. No caso do tablet da Apple, tudo é transferido por meio do iTunes. Já o Galaxy, como outros aparelhos com Android, permite transferir arquivos apenas arrastando e soltando os ícones na pasta adequada. É um processo prático e familiar para qualquer pessoa que já usou um computador.

O maior diferencial de software do Galaxy em relação a outros tablets com Android é o aplicativo Social Hub. Criado pela Samsung, ele reúne em um só lugar atualizações de redes sociais como Twitter e Facebook.

Aplicativos

Esse quesito ainda representa um desafio não só para o Galaxy Tab 10.1, mas como para todos os outros tablets com Android. O aparelho é compatível com os cerca de 300 mil aplicativos disponíveis para Android. Mas apenas uma pequena parte desses (cerca de 1.000) é projetada especificamente para as versões Honeycomb (3.0 ou 3.1) do Android (para efeito de comparação, há cerca de 100 mil aplicativos especificamente criados para o iPad 2). A imensa maioria dos aplicativos que rodam no Galaxy Tab 10.1 foi projetada para celulares, que têm telas bem menores do que os tablets.

Na prática, isso significa que a maior parte dos aplicativos fornece uma experiência de uso apenas regular, pois não aproveita ao máximo o espaço da tela e os recursos do Honeycomb. Para piorar, o Android Market, loja de aplicativos do Google, não tem uma seção específica para os aplicativos criados para Honeycomb. Assim, fica mais difícil encontrar os melhores aplicativos para o aparelho.

Conclusão

O Galaxy Tab 10.1 é, no momento, o concorrente mais forte para o iPad 2. Em quesitos como construção física, desempenho de bateria e velocidade, os aparelhos estão em nível semelhante.

A opção por um ou por outro depende bastante do tipo de usuário. A interface mais limpa e fácil de usar do iPad tem mais apelo para pessoas com menos intimidade com tecnologia. Já quem prefere um aparelho mais versátil e independente de outros programas (como o iTunes) certamente fará a escolha correta ao optar pelo Galaxy Tab 10.1.

Ficha técnica

Produto: Galaxy Tab 10.1
Fabricante: Samsung
Configuração: Android 3.1, tela de 10,1 polegadas, processador Nvidia Tegra 2 de 1 HGz e dois núcleos, 16 GB de memória de armazenamento, 1 GB de RAM, Wi-Fi, 3G, Bluetooth, GPS, câmeras de 2 MP (frontal) e 3,2 MP (traseira),
Pontos fortes: Excelente design de hardware, boa duração de bateria, bom desempenho ao rodar aplicativos e games, tela de primeiríssima qualidade
Pontos fracos : Como em outros tablets com Android, a interface pode confundir usuários mais leigos, poucos aplicativos específicos para Honeycomb, falta de modelos com mais memória.
Preço: R$ 1.999

    Leia tudo sobre: tabletssamsunggalaxy tab 10.1android

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG