Em um segundo processo, contra a Motorola, empresa pode ter que pagar R$ 4,8 bilhões por uso de tecnologia para sincronizar e-mail

A Apple incluiu nesta semana o Kindle Fire, primeiro tablet da Amazon, em um processo em que a Apple acusa a empresa de infringir patentes relativas à loja de aplicativos App Store ao lançar uma loja de aplicativos para o sistema operacional Android, do Google. No processo, que foi movido no início de 2011, a Apple agora acusa a empresa de usar o Kindle Fire para confundir os usuários sobre as diferenças entre a loja da Apple e a da Amazon.

Apple inclui o Kindle Fire, o primeiro tablet da Amazon, em processo contra o uso da marca App Store
Reuters
Apple inclui o Kindle Fire, o primeiro tablet da Amazon, em processo contra o uso da marca App Store
Até agora, a Apple não obteve sucesso em seu processo contra a Amazon. O juiz da corte do distrito da Califórnia (EUA), Phyllis Hamilton, negou o pedido de liminar da Apple para suspender a loja de aplicativos da Amazon. Segundo o juiz, a Apple não ofereceu evidências suficientes de que a sua marca estaria sendo usada pela Amazon.

Segundo o site da revista Wired , a Apple decidiu incluir o tablet na ação judicial após a Amazon anunciar que o tablet seria uma versão mais barata do iPad. Contudo, a empresa não acusa a Amazon de concorrer com o iPad, mas sim de tentar usar seu próprio dispositivo para alavancar as vendas de aplicativos para Android, o maior concorrente da Apple no mercado de smartphones e tablets. Em sua defesa, a Amazon afirma que o termo "app store" é muito genérico para ser patenteado - uma posição que também é adotada pela Microsoft.

Apple pode ter que pagar R$ 4,8 bilhões à Motorola

Em uma outra guerra de patentes, dessa vez com a Motorola, a Apple pode ser obrigada a pagar cerca de R$ 4,8 bilhões (US$ 2,7 bilhões) à fabricante recém-comprada pelo Google pela infração de uma patente relativa ao processo de sincronização de e-mails.

Recentemente, a Motorola venceu uma das etapas do processo e, segundo entrevista de Florian Miller, especialista em patentes ao site Boy Genius Report, a Motorola exige o pagamento da alta soma como indenização pelo uso indevido da tecnologia. Contudo, o juiz responsável pelo caso afirmou que acredita que a indenização não deva ser tão alta quanto o proposto pela Motorola. "Eu não estou completamente certo de que essa batalha renda tanto dinheiro", disse o juiz.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.