Pesquisadores desenvolveram um software de reconhecimento facial e usaram o banco de dados do Facebook para realizar o estudo


Por Fernanda Morales

Um estudo realizado por pesquisadores da Carnegie Mellon University , nos Estados Unidos, apresentado na Conferência de Segurança de Computadores Black Hat, em Las Vegas, prova que a base de dados de fotos do Facebook pode ser usada para identificar pessoas caminhando pelas ruas.



De acordo com o site Mashable , os pesquisadores usaram a base de dados de fotos de perfis de alunos da universidade e usaram tecnologia de reconhecimento facial para reconhecer esses mesmos alunos assim que eles olhassem para uma webcam.

O resultado? Usando em torno de 25 mil fotos retiradas dos perfis da rede social de Mark Zuckerberg, os autores desenvolveram um software que conseguiu reconhecer corretamente 31% dos estudantes depois de apresentar menos de três comparações.

Em outro teste, os autores do estudo compararam 277.978 fotos do Facebook com seis mil outras fotos de outra rede social, cujo nome não foi divulgado, o software reconheceu 10% dos membros do site.

Segundo o site Cnet , para provar o conceito desenvolvido, o grupo de pesquisadores também desenvolveu um aplicativo para iPhone que pode tirar uma foto de alguém, enviar para o software de reconhecimento facial e depois mostrar na tela o nome e dados pessoais da pessoa fotografada.

Ainda segundo o site, o Facebook não é a única rede social que armazena dados dos perfis, o LinkedIn e o Google + também, mas os pesquisadores escolheram o Facebook devido a sua vasta base de dados e também porque as fotos dos perfis conseguem ser abertas em janelas maiores.

O estudo levantou questões importantes sobre privacidade, já que online as pessoas conseguem esconder sua identidade real através de pseudônimos, mas como afirmou a pesquisa é muito mais difícil mudar o rosto de alguém.

Siga o iG Tecnologia no Twitter Siga o iG Tecnologia no Twitter

    Leia tudo sobre: aplicativo facebook
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.