Batalha pelo controle do mercado de videoconferências ganha força

Cisco corre para garantir sua liderança de mercado, enquanto Microsoft tenta avançar com o Skype

Reuters |

NOVA YORK - A tentativa da Cisco Systems para convencer um tribunal europeu a impor condições mais severas à aquisição da Skype pela Microsoft sinaliza que as empresas de tecnologia estão se preparando para a batalha pelo controle daquilo que muitos dizem será a próxima grande tendência: videoconferências.

Getty Images
Cisco e Microsoft começam disputa do mercado de videoconferências
À medida que a gigante das redes corre para proteger sua liderança de mercado e controle sobre uma tecnologia que está avançando do mundo dos negócios para o uso pessoal, empresas rivais como a Polycom e Citrix Systems vêm desenvolvendo soluções de fácil uso.

Todas elas concorrerão com a Microsoft, que segundo os analistas planeja integrar o Skype aos seus produtos, o que pode tornar seu software mais atraente e beneficiar futuras gerações de aparelhos equipados com o Windows.

O mercado de teleconferências é pequeno, mas sua crescente popularidade junto aos consumidores e uso mais amplo em celulares fazem com que a disputa -travada nos tribunais, junto às autoridades regulatórias e por meio de fusões e aquisições- ganhe importância.

"O vídeo é o novo mundo... e veremos muitas aquisições, muitos processos, e as empresas que ficarem para trás certamente tentarão contestar judicialmente o uso de patentes", disse Krish Ramakrishnan, presidente-executivo da Blue Jeans Network, uma companhia de videoconferências online.

O grupo de pesquisa Infonetics previu que o vídeo será a principal tendência nas telecomunicações. O mercado mundial de teleconferências empresariais atingirá os 5 bilhões de dólares em 2015, ante 2,2 bilhões de dólares em 2010.

As videoconferências estão à beira de uma adoção generalizada. Novos serviços e software permitem que computadores, tablets ou celulares inteligentes comuns, dotados de conexão de alta velocidade com a Internet, ofereçam qualidade semelhante aos caros sistemas antes reservados ao uso de empresas.

Na realidade, serviços gratuitos de chat em vídeo como o FaceTime, da Apple, o Skype e o Google+ vêm tornando o uso de videoconferências cada vez mais frequente fora do local de trabalho.

 

Leia tudo sobre: ciscomicrosoftskypevideoconferência

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG