O juiz considerou que Dotcom não representa uma ameaça de fuga

Kim DotCom, fundador do Megaupload
Getty Images
Kim DotCom, fundador do Megaupload
O criador do Megaupload, o alemão Kim Schmitz, também conhecido como Dotcom, acusado de cometer crime de pirataria virtual, foi posto em liberdade nesta quarta-feira após conseguir liberdade condicional na Nova Zelândia, informou a imprensa local.

Os EUA vem pedindo a extradição de Schmitz. O juiz Nevin Dawson, do Tribunal do distrito de North Shore, concedeu liberdade condicional ao criador do Megaupload por considerar que ele não representa uma ameaça de fuga.

Prisão

O Federal Bureau of Investigation (FBI) fechou ontem o site de compartilhamento de arquivos Megaupload e prendeu quatro executivos responsáveis pela operação do site, sob a acusação de pirataria de conteúdo pela internet. Outros três executivos que estavam envolvidos com o site também serão processados pelo crime. Por enquanto, o site está fora do ar e não há nenhum aviso sobre o motivo.

O MegaUpload, site baseado em Hong Kong, é um dos mais populares sites para compartilhamento de arquivos. Os usuários podem fazer upload de documentos e de arquivos maiores, como vídeos, e permitir que outros internautas baixem o conteúdo de qualquer dispositivo conectado a internet. Muitos internautas à procura de filmes e músicas pirateadas baixam arquivos a partir do site e de outros similares.

Leia também:
Criador do Megaupload gastou quase R$ 1 milhão em queima de fogos
Viagem de Kim DotCom a Mônaco teve carrões, iates e belas mulheres
Vídeo: Criadores do Megaupload são presos na Nova Zelândia
Anonymous ataca sites em protesto contra fechamento do Megaupload

De acordo com o FBI, quatro dos sete acusados já estão presos, enquanto aguardam a decisão da Justiça sobre os crimes. Ao mesmo tempo em que os executivos foram presos na Nova Zelândia, agentes do FBI buscaram servidores do MegaUpload em outras localidades e tiraram o serviço do ar. Em diversas ocasiões, os executivos responsáveis pelo serviço já se defenderam contra as acusações de promoção de pirataria. Eles afirmam que a maior parte do tráfego do site é legal.

De acordo com o documento divulgado pelo FBI, os negócios do MegaUpload relacionados a pirataria já renderam mais de US$ 175 milhões. No documento, o FBI chama a empresa de "uma empresa criminosa global que tem membros engajados com lavagem de dinheiro e infrações de direitos autorais em escala massiva."

Um dos criadores do Megaupload, o alemão Kim Schmitz, mais conhecido como Kim DotCom, é uma figura conhecida entre hackers. Nos anos 1990, ele cumpriu dois anos de prisão na Alemanha por usar suas habilidades de programador para fraudar cartões de crédito.

Pirataria sob a mira do governo americano

A ação acontece um dia após o protesto contra os projetos de lei SOPA (Stop Online Piracy Act) e PIPA (Protect Intellectual Property Act), que devem ser votados nas próximas semanas nos Estados Unidos. Se aprovadas, as novas leis colocarão regras rígidas para o compartilhamento de conteúdo online e dará poderes à Justiça dos EUA para fechar quaisquer sites suspeitos de pirataria na internet.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.