Conheça o Beats, o fone de ouvido das celebridades

Acessório é usado por Neymar, Pato e outros jogadores da Seleção Brasileira, além de astros do mundo da música

André Cardozo , iG São Paulo | - Atualizada às

Nos anos 2000, os pequenos fones brancos do iPod eram sinônimo de status. O tocador da Apple era um aparelho caro e quem andava pelas ruas com um discreto fiozinho branco pendurado no ouvido era alvo de olhares de inveja.

Mas, dez anos depois, com a popularização do iPod e a criação de versões mais baratas do aparelho, o fonezinho branco não é mais tão cobiçado. A estrela da vez são os fones de ouvido grandalhões e chamativos da Beats Electronics, companhia fundada pelo rapper, produtor e empresário Dr. Dre e pelo executivo de mídia Jimmy Iovine.

Caros e espalhafatosos, os fones Beats são cada vez mais vistos nas cabeças de jogadores de futebol, astros do rap e outras celebridades. Na seleção brasileira de futebol, o astro Neymar é um dos que não largam seus fones Beats em viagens e no caminho para os jogos.

Neymar é fã dos fones da Beats. Foto: AFPAlexandre Pato optou por um fone Beats amarelo. Foto: AFPThiago Silva é outro jogador da Seleção que usa o fone Beats. Foto: AFPWil.i.am, do Black Eyed Peas, é um dos astros que empresa seu nome aos fones Beats. Foto: Getty ImagesRapper Lil Wayne tem fone Beats cravejado de diamantes. Foto: Getty ImagesDr. Dre e Jimmy Iovine, os fundadores da Beats Electronics. Foto: Getty ImagesLetra b na parte de fora do fone é o símbolo dos produtos da Beats. Foto: Getty ImagesVariedade de cores é um dos diferenciais dos fones Beats. Foto: Getty ImagesLinha mais recente da Beats é assinada pelo rapper Nas. Foto: Getty ImagesPro é o modelo mais sofisticado da Beats. Indicado para DJs e profissionais de música, custa US$ 400. Foto: DivulgaçãoSolo HD é o fone Beats indicado para a maioria dos usuários. Custa US$ 200. Foto: DivulgaçãoTour é um dos fones intraauriculares da Beats. Custa US$ 150. Foto: DivulgaçãoBeats produz fones em cores chamativas. Foto: Getty Images

A Beats tem oito modelos de fones de ouvido, dos quais cinco são convencionais (usados por fora da orelha) e três são intra-auriculares. Em comum, eles têm o alto preço. O modelo mais básico de fone de ouvido, o Beats Solo HD, custa US$ 200 (R$ 400). O mais caro, chamado Beats Pro, é recomendado para DJs e custa US$ 400. Entre os modelos intra-auriculares, o mais barato é o Heartbeats, que custa US$ 130. A Beats Electronics não está presente no Brasil, mas os fones podem ser encontrados em lojas de eletrônicos mais sofisticadas.

Fones caros não são novidades. Empresas como Bose, AKG, Sennheiser e Audio Technica há anos fazem fones de ouvido sofisticados e com preço alto, voltados para o mercado de profissionais de áudio e consumidores mais exigentes.

A novidade trazida pela Beats foi o apelo “pop” e uma estratégia mais voltada para o público jovem, ouvinte casual de música, que usa o fone conectado ao smartphone ou MP3 player enquanto está em movimento. Além de Dr. Dre, nome famoso no universo do rap e da música pop, a Beats conta também com o apoio de nomes como o jogador de basquete LeBron James e da cantora Lady Gaga. Enquanto seus concorrentes mantêm a cor preta e design mais sóbrio, a Beats produz seus fones em diversas cores, incluindo tons berrantes de rosa.

Ênfase em graves gera polêmica

O visual chamativo não é o único diferencial dos fones Beats. Segundo a empresa, os fones são especialmente competentes para reproduzir sons graves. Essa qualidade é mais notada em ritmos com rap e música eletrônica.

Mas os graves “bombados” do Beats não agradam a todos. Análises de sites como HardOCP, TechCrunch, TechRadar e Cnet, elogiam o design dos fones Beats, mas afirmam que a qualidade do som pode não agradar ao ouvinte mais exigente.

Getty Images
Variedade de cores é um dos diferenciais dos fones Beats

Mas a ênfase em graves não é a única arma do Beats para atrair o público jovem. Os fones têm recursos especialmente úteis para quem usa o acessório conectado ao smartphone. Os fones da Beats vêm com um controle no cabo que conecta o aparelho ao tocador de música.

Por meio desse controle, é possível atender e encerrar ligações telefônicas (recurso compatível apenas com o iPhone), além de regular o volume. Nos modelos sem fio, o controle fica na parte de fora do fone de ouvido.

Os fones Beats vêm também com um microfone embutido. Assim, o usuário não precisa remover o fone para atender a ligação telefônica. Há ainda um sistema de cancelamento de ruído, similar ao de outros fones sofisticados. Quando ligado, ele bloqueia a entrada de ruídos externos, produzindo silêncio quase absoluto.

Eles valem o que custam?

Desde que o primeiro fone Beats chegou ao mercado, em 2009, a pergunta feita é: eles realmente valem o que custam? A resposta varia, dependendo do critério mais importante para cada usuário.

Se o critério é exclusivamente qualidade de áudio, a resposta provavelmente é não. Boa parte das análises de sites internacionais afirma que os fones enfatizam demais os graves, o que prejudica a qualidade de som em determinados ritmos.

Analistas observam ainda que a qualidade de áudio está longe de ser ruim, apenas não é boa o suficiente para agradar um público mais exigente. Além disso, algumas análises relatam que os fones não isolam completamente o som, ou seja, quem está perto consegue ouvir o som vindo dos fones.

Quando são considerados outros critérios, como design, qualidade dos materiais empregados e recursos, a resposta é mais complexa. Os fones Beats usam materiais de boa qualidade, têm recursos úteis para quem usa o fone em conjunto com smartphones e trazem também o fator “status”. Por isso, apesar do alto preço, podem ser uma alternativa interessante para um público descolado que quer um fone diferenciado e com boa qualidade de áudio.

Leia tudo sobre: beatsfones de ouvido

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG