Sem descuidar dos chips para computadores, seu principal negócio, empresa prepara arrancada contra concorrentes que produzem chips baseados na arquitetura ARM

A Computex 2013, feira de eletrônicos realizada em Taiwan nesta semana, está sendo o palco da Intel apresentar os primeiros notebooks e híbridos com sua quarta geração de chips da linha Core , a mais popular no mercado de computadores. Contudo, as atenções se voltaram para outra notícia, anunciada fora da Computex: a Samsung lançará, em breve, o primeiro tablet Galaxy Tab 3 , com tela de 10.1 polegadas, equipado com um processador fabricado pela Intel.

LEIA TAMBÉM:
Intel tenta recuperar tempo perdido em smartphones
Asus FonePad é o primeiro tablet com chip da Intel a chegar ao Brasil

Estande da Intel na Computex 2013: empresa lança novos chips para híbridos de notebooks e tablets, mas também para dispositivos móveis
Reuters
Estande da Intel na Computex 2013: empresa lança novos chips para híbridos de notebooks e tablets, mas também para dispositivos móveis

O anúncio da parceria com a Samsung representa uma conquista importante para a Intel. Há quatro anos, a empresa tenta conseguir um espaço no mercado de dispositivos móveis. “A Intel perdeu um pouco o ‘timing’ de entrada nesse mercado e está tentando se recuperar agora”, diz Leonardo Munin, analista da consultoria IDC Brasil. “A Intel não tinha um processador em um smartphone vendido no Brasil até o ano passado, quando a Motorola lançou o Razr i .”

A parceria com a Samsung, maior fabricante de smartphones e segunda maior indústria de tablets do mundo, no entanto, dá novo fôlego para a Intel. “O fato de anunciar o Galaxy Tab 3 com a Samsung é um marco importantíssimo para a Intel”, diz Cássio Tietê, diretor de marketing para smartphones e tablets da Intel na América Latina. Segundo o iG apurou, o Galaxy Tab 3 deve chegar ao Brasil no início do segundo semestre.

O Galaxy Tab 3 será equipado com o chip Atom Clover Trail+, com dois núcleos dentro do chip (que tornam o processamento mais rápido). O produto apresenta bom desempenho, mas ainda é considerado pelos analistas como inferior aos chips baseados na arquitetura ARM. Além do chip para tablets, a Intel oferece para smartphones o processador Atom Medfield, encontrado em alguns modelos de smartphones, como o Razr i, da Motorola.

O Clover Trail+ e o Medfield usam uma arquitetura desenvolvida pela Intel em 2008, mas que foi atualizada em 2012 para incluir transistores com tamanho de 32 nanômetros. A cada ano, as fabricantes reduzem o tamanho dos transistores que compõem o chip, de modo a aumentar o poder de processamento, sem aumentar o espaço ocupado pelo processador dentro do dispositivo.

Ruptura do mercado

A entrada no mercado de chips para dispositivos móveis é crítica para a Intel. Durante mais de uma década, a empresa se manteve confortável como fornecedora da maior parte dos chips para computadores de mesa (desktops) e notebooks com sistema operacional Windows. Contudo, o mercado de computadores desacelerou nos últimos anos. Segundo a IDC, o primeiro trimestre de 2013 marca a maior queda na venda de PCs em quase 20 anos .

Na versão vendida nos EUA, Galaxy S4 usa chip Snapdragon S4 Pro, fabricado pela Qualcomm
Getty Images
Na versão vendida nos EUA, Galaxy S4 usa chip Snapdragon S4 Pro, fabricado pela Qualcomm

Um dos motivos é a crescente popularização dos smartphones e tablets entre os consumidores. Em vez de trocar o computador antigo, os consumidores preferem comprar um dispositivo a mais, que possa ser usado em qualquer lugar.

“Do faturamento 6% maior do mercado de tecnologia em 2012, metade é representado pelos dispositivos móveis”, diz Munin, da IDC.

Ao demorar a oferecer chips para dispositivos móveis, a Intel encontrou um mercado hostil: os processadores baseados na arquitetura ARM, licenciada para empresas como Qualcomm, NVidia e a própria Samsung, dominam mais de 90% do mercado.

Dados da consultoria Strategy Analytics mostram que a participação da Intel no mercado mundial de processadores para smartphones é de 0,2%. No segmento de processadores usados em tablets, os chips representam menos de 5% do total. No Brasil, apenas seis tablets à venda usam chips Intel Atom.

Atualmente, a Qualcomm lidera o mercado mundial de chips para smartphones, com 43% de participação, já que sua linha de chips Snapdragon está presente em vários modelos de smartphones topo de linha. De acordo com a Strategy Analytics, a Apple e a Samsung, devido ao sucesso do iPhone 5 e da linha Galaxy , ocupam o segundo e o terceiro lugar no ranking de maiores fabricantes, respectivamente.

No mercado global de tablets, a Apple lidera como a maior fabricante por conta do iPad, o modelo mais vendido do mundo. Em segundo lugar, está a fabricante NVidia, que tem chips em modelos populares como o tablet Nexus 7 , fabricado pelo Google em parceria com a Asus, e o Surface , primeiro tablet da Microsoft. “Temos desenvolvido processadores mais poderosos, mas também que consomem pouca bateria”, diz Richard Cameron, gerente-geral da NVidia no Brasil.

De volta ao jogo

O anúncio da parceria com a Samsung na Computex 2013 também serviu para chamar a atenção para os próximos passos da Intel. A empresa anunciou que atualizará a tecnologia de seus chips após cinco anos, com a plataforma Silvermont. Segundo a Intel, ela permitirá que as próximas gerações de chips para smartphones e tablets alcancem desempenho três vezes maior. O consumo de energia dos novos chips promete ser até cinco vezes menor, um fator crítico para dispositivos móveis.

Intel promove híbridos de notebook e tablet, enquanto mercado de chips para smartphones e tablets não decola
AP
Intel promove híbridos de notebook e tablet, enquanto mercado de chips para smartphones e tablets não decola

No caso dos tablets, os primeiros produtos com o novo chip Bay Trail chegarão ao mercado entre o final de 2013 e o início de 2014. Já para smartphones, o novo chip Merrifield começará a ser usado somente ao longo de 2014.

“Estes novos chips terão o dobro do poder de processamento e os outros fabricantes devem perder um pouco de participação de mercado”, diz Munin, da IDC. “Mas isso vai levar um ano pelo menos.”

A empresa, no entanto, deve enfrentar desafios, já que os outros fabricantes de processadores renovam anualmente sua linha de processadores. “A Intel está tentando fazer a transição do mercado de computadores, mas as regras são diferentes, as exigências do consumidor são outras. A arquitetura x86 é ineficiente do ponto de vista energético”, diz Cameron, da NVidia. Se o processador gasta muita energia para funcionar, isso significa que o consumidor verá sua bateria esgotar mais rápido no final do dia.

A Intel reconhece que ainda há um longo caminho pela frente. “É uma maratona”, diz Tietê. “Não somos dominantes no mercado de tablets e smartphones, somos novos atores. Mas estamos lançando produtos competitivos de forma rápida.”

Enquanto o negócio móvel não deslancha, a empresa não descuida do mercado de computadores, sua fonte principal de receita. Durante a Computex 2013, a Intel anunciou em parceria com vários fabricantes os primeiros modelos de híbridos de notebook e tablet e ultrabooks que usarão a quarta geração de processadores da família Core . Asus, Acer e Lenovo estão entre as empresas que colocarão produtos com chips da Intel no mercado a partir da metade de 2013.

Veja os principais lançamentos da Computex 2013 na galeria de fotos abaixo:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.