Expansão do invento da IBM para outros idiomas fortalece o Watson Group, divisão de negócios lançada em janeiro

Em 2011, Watson ganhou o Jeopardy!, um famoso programa norte-americano que testa os conhecimentos gerais dos participantes
Divulgação
Em 2011, Watson ganhou o Jeopardy!, um famoso programa norte-americano que testa os conhecimentos gerais dos participantes

Em 1999, a IBM publicou um encarte de oito páginas no The Wall Street Journal apresentando as bases do e-business, ou, em bom português, o negócio eletrônico. Agora, em 2014, a IBM faz um anúncio que para Fábio Gandour, cientista-chefe da unidade brasileira da empresa, é tão ou mais importante do que aquele do passado, principalmente para o Brasil, que passa a fazer parte dessa revolução.

O Watson, máquina da IBM que funciona a partir da computação cognitiva, está chegando ao Brasil. Sua vinda, porém, não é física, mas virtual, uma vez que a invenção é composta por software e também por equipamentos de hardware espalhados pelos data centers da IBM.

A chegada do Watson ao Brasil tem uma explicação simples: para atender a empresas nacionais, a máquina precisa antes aprender português. E é nisso que a equipe da IBM está trabalhando agora: ensinar português e também espanhol ao Watson. Os dois idiomas latinos serão os primeiros a serem aprendidos pelo supercomputador, que originalmente só fala inglês norte-americano.

À medida que se torna poliglota, Watson amplia o alcance das suas soluções empresarias, um dos principais interesses da IBM. Desde o início do ano, a Big Blue possui uma divisão de negócios chamada Watson Group com serviços que funcionam a partir da inteligência artificial do supercomputador.

Watson Group

Hoje, o Watson Group se divide em três: Engagement Advisor, Explorer, Discovery Advisor. Cada uma dessas três soluções faz uso do conhecimento do supercomputador e da sua capacidade de aprendizado de uma forma própria.

O Engagement Advisor, por exemplo, ajuda a empresa a conhecer melhor as necessidades dos seus clientes automatizando algumas interações. Com esse serviço implantado em um call center, por exemplo, uma companhia poderia direcionar as perguntas mais frequentes de seus consumidores ao supercomputador. O Watson é capaz de aprender a dar as respostas mais adequadas às perguntas frequentes dos clientes usando a linguagem natural, ou seja, falando quase como um humano.

Fábio Gandour posa ao lado de uma das unidades de hardware do Watson, o supercomputador da IBM
Arquivo pessoal
Fábio Gandour posa ao lado de uma das unidades de hardware do Watson, o supercomputador da IBM

O Watson Explorer, por sua vez, é o serviço que coloca o supercomputador para fazer buscas para as empresas em sua própria base de dados. Sua enorme capacidade de processamento atrelada a sua habilidade de combinar busca por conteúdo, análise de dados e computação cognitiva faz do Watson um excelente pesquisador.

Por fim, o setor de Discovery Advisor ajuda as empresas a fazer do supercomputador um dos seus melhores pesquisadores cruzando o conhecimento do próprio Watson com aquele que foi gerado pela empresa, apresentando resultados de cunho estatísticos.

Para Gandour, bancos são exemplos de empresas que podem se interessar por esse tipo de solução. Em vez de perguntar para o gerente qual é o melhor investimento, o cliente poderia conversar com o Watson, que faria perguntas sobre o montante e o prazo, por exemplo. Em seguida, o supercomputador daria ao consumidor a resposta mais imparcial possível, interpretada de uma forma puramente matemática. A decisão final, porém, deve ser sempre do cliente, segundo alerta Gandour.

300 mil palavras

Ensinar português e qualquer outra língua para o Watson não é algo que se faça da noite para o dia. Além de aprender 300 mil palavras do idioma – mais do que o dobro do que os linguistas afirmam ser necessário para um ser humano ser considerado fluente –, o supercomputador precisa ser capaz de compreender não apenas os significados das palavras (semântica), mas também as regras que regem as construções das frases (sintaxe).

Por isso, explica Gandour, o trabalho que está sendo feito com Watson é muito mais de localização do que de tradução e ainda não tem uma previsão oficial para terminar. Assim como os humanos que desejam ser fluentes em uma língua estrangeira, Watson precisa estudar os traços culturais presentes no vocabulário e também as regras de uso do idioma.

Na opinião de Gandour, está será uma segunda quebra de paradigma, uma vez que o produto do Watson é sua capacidade de criar conhecimento, e não uma caixa que pode ser instalada dentro das companhias como eram os servidores no passado. Aqueles que desejarem ter a inteligência de Watson trabalhando a favor da sua empresa contratarão um serviço, baseado em computação em nuvem, e não um produto com características físicas. "Não faz sentido, hoje, vender o Watson em uma caixa, pois ele muda o tempo todo", explica o cientista.

Watson é representado pela IBM por um globo com linhas e traços, um símbolo que lembra a representação de um átomo
Divulgação
Watson é representado pela IBM por um globo com linhas e traços, um símbolo que lembra a representação de um átomo

Watson ficou famoso em 2011

O nascimento de Watson remonta ao ano de 2003, mas foi em 14 de fevereiro de 2011, como gosta de lembrar Gandour, que o supercomputador foi a público mostrar algumas das suas potencialidades. Nesta data, Watson participou de um famoso show de perguntas de conhecimento geral dos Estados Unidos chamado Jeopardy, do qual saiu vencedor. Desde então, Watson vem sendo usado em projetos na área de saúde, em experimentos com gastronomia e, recentemente, em soluções para empresas e governos.

Nas palavras da própria IBM, Watson é uma tecnologia cognitiva que processa informações mais como um humano do que como os computadores com os quais estamos acostumados a lidar no dia-a-dia. Formado por hardware e software, Watson compreende a linguagem natural, ou seja, dos humanos, e por isso não apenas fala como é capaz de gerar hipóteses baseado em evidências. À medida que interage, seja com usuários ou com informações, Watson aprende e fica ainda mais inteligente pois seu processamento funciona a partir de um modelo de programação recursiva. "É mais ou menos assim: cada vez que o programa roda, e ele roda várias vezes, ele próprio se modifica com o que aprendeu", resume Gandour.

Dados não-estruturados

De acordo com Fábio Gandour, para criar essa inteligência artificial, Watson se alimenta de dados não estruturados, que durante anos foram considerados pelos especialistas em computação como “lixo”.

Grande parte dos dados com os quais lidamos diariamente via computadores e dispositivos móveis são do tipo estruturado. Ou seja, possuem uma lógica própria e certa previsibilidade, enquanto os dados desestruturados são probabilísticos.

“Na computação tradicional, determinística, 2+2 é 4, mas na computação cognitiva existe uma alta probabilidade de que 2+2 seja 4, mas não há como garantir”, afirma o cientista.

Enquanto um computador tradicional é capaz de pegar informações estruturadas e organizá-las na forma de um extrato de banco, por exemplo, a computação cognitiva de Watson é capaz de compreender diferentes receitas de torta de maçã e, a partir disso, criar novas receitas. Uma receita de torta de maçã é um dado desestruturado, pois não tem uma lógica contínua.

O futuro

Hoje, o conhecimento do Watson é bastante geral. O supercomputador da IBM que funciona a partir de perguntas é capaz de falar com uma pessoa sobre o petróleo, por exemplo, mas tem dificuldades de interagir com um especialista em perfuração de poços porque não conhece a linguagem técnica do assunto. No futuro, a IBM planeja desenvolver versões mais específicas do Watson para atender às necessidades dessas indústrias mais específicas. A criação de um escritório para o Watson Group em Manhattan, Nova York, em janeiro de 2014, tem como principal objetivo atrair a atenção das empresas para o supercomputador.

As soluções criadas pela IBM a partir do Watson são voltadas para empresas, mas isso não quer dizer que aqueles mais curiosos e interessados no assunto não podem se aproximar dessa inteligência artificial. A Big Blue também está buscando talentos para ampliar o ecossistema do Watson desenvolvendo aplicações a partir dele. A empresa possui inclusive uma loja de aplicativos que funciona nos mesmos moldes que as lojas para desenvolvedores da Apple e do Google. Mas, em vez de fornecer as bases do Android ou do iOS, a IBM oferece o poder de cognição do Watson.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.