Orkut e TVs de plasma estão entre as baixas do ano

O ano de 2014 foi marcado pelo lançamento de alguns produtos marcantes, como o Gear VR, relógios inteligentes e os típicos smartphones de ponta das maiores empresas do setor. Porém, como ocorre anualmente, serviços, tecnologias e produtos pouco competitivos chegaram ao seu fim. A seguir, o iG traz uma lista com 10 produtos e serviços que "morreram" em 2014.

LEIA MAIS:  Saiba como baixar fotos do Orkut, além de scraps e depoimentos

1 - Orkut

Entre as fatalidades de 2014, uma particularmente doída para muitos internautas brasileiros foi o fim do Orkut. A rede social chegou por aqui em 2004 e foi líder disparada até 2012, quando foi ultrapassada pelo Facebook . O Orkut foi fechado pelo Google no fim de setembro. Apenas as comunidades continuam no ar, mas em forma de mural e sem a possibilidade de interação.

VEJA TAMBÉM: 10 recursos do Orkut que deixarão saudades

2 - Smartphones Nokia

A tradicionalíssima Nokia, que por anos foi sinônimo de celular de qualidade e com bateria duradoura, não acompanhou o iPhone e o Android. No fim de 2013, a divisão de celulares da empresa foi comprada pela Microsoft e a aquisição foi finalizada em maio deste ano. Depois disso, era só uma questão de tempo até que o fim da marca fosse decretado.

LEIA TAMBÉM: Veja celulares históricos da Nokia

Em outubro a Microsoft anunciou que a marca Nokia não seria mais usada em smartphones , sendo substituída por Microsoft Lumia. Era o fim da linha para a a marca que, juntamente com Motorola e Ericsson, foi pioneira em celulares. Como consolo para os fãs da Nokia resta apenas saber que a marca continuará a ser usada em celulares básicos (feature phones). Vale ressaltar ainda que a Nokia também continua a existir como empresa independente de soluções corporativas e mapas. Essa parte da empresa não foi comprada pela Microsoft e permanceu independente.

3 - TVs de plasma

No fim de 2013, a Panasonic já havia anunciado que não produziria mais TVs de plasma , deixando LG e Samsung como as únicas fabricantes desse tipo de aparelho. Ao longo deste ano, Samsung ( em julho ) e LG ( em outubro ) também anunciaram que não produziriam mais TVs com essa tecnologia.

LEIA TAMBÉM: Menor que um vírus, ponto quântico é evolução da tela LCD

A decisão das empresas coreanas representou o fim da tecnologia que, surgida em meados dos anos 2000, competiu com o LCD no mercado de TVs. Especialistas em TV ainda consideram que alguns modelos de plasma têm imagem de qualidade imbatível, mas fatores econômicos e a evolução do LCD empurraram o plasma cada vez mais para o abismo.

4 - Windows XP

Mais longevo dos sistemas operacionais da Microsoft, o Windows XP, lançado em 2001, finalmente teve seu fim decretado neste ano. Em abril, a Microsoft encerrou em definitivo o suporte para o sistema . Com isso, o XP fica vulnerável a vírus e falhas de segurança. Entretanto, mesmo após o fim do suporte, o XP ainda é o segundo sistema mais usado do mundo, presente em 17,2% dos computares do planeta. Fica atrás apenas do Windows 7, que tem 53% do mercado.

LEIA TAMBÉM: Conheça a história da clássica imagem de fundo do Windows XP

5 - iPod Classic

Lançado em 2001, o iPod foi o ponto inicial da virada da Apple sob a gestão de Steve Jobs. Ao longo dos anos, o iPod ganhou tela para exibir vídeos, ficou menor, ganhou tela para toque e ganhou vários "filhos" nas linhas Mini Nano e Touch.

Mas o que muita gente não sabe é que, até este ano, a Apple discretamente ainda vendia um iPod sem recursos de vídeo nem tela sensível ao toque. Voltado basicamente para fãs de música, o iPod Classic tinha a seu favor um imenso espaço de armazenamento de 250 GB. 

O aparelho tinha lá seu público fiel, mas isso não evitou sua "morte" neste ano. Em entrevista a um jornal dos EUA, Tim Cook, CEO da Apple, disse que um dos motivos do fim do iPod Classic foi a simples falta de fornecedores de componentes para um acessório tão antigo.

6 - MSN Messenger

O popular programa de mensagens da Microsoft já havia sido praticamente extinto no ano passado , mas ainda funcionava na China. Somente em outubro deste ano o Windows Live Messenger, nome oficial do popular MSN, foi desativado no país asiático . Com isso, todos os usuários do MSN agora foram migrados de forma oficial para o Skype.

7 - Notebooks e PCs da Sony

A Sony passou por uma profunda reestruturação neste ano, incluindo demissões em massa e extinção de algumas divisões. Uma das medidas mais radicais da empresa foi sair do negócio de PCs e notebooks. A empresa vendeu sua divisão de PCs para um fundo de investimentos japonês , que poderá continuar a usar a tradicional marca Vaio em seus produtos. Mas eles não serão mais de responsabilidade da Sony.

8 - E-readers da Sony

Outra vítima da reestruturação da Sony foi a divisão de leitores de livros digitais (e-readers). A empresa foi uma das pioneiras nesse segmento e desde meados dos anos 2000 vendia e-readers, mas nunca conseguiu concorrer pra valer com a Amazon, líder do segmento. Os e-readers da Sony continuarão à venda apenas no Japão , mercado estratégico para a empresa.

9 - TwitPic

Nos primeiros anos do Twitter, o TwitPic rapidamente se tornou uma alternativa popular para publicar fotos no serviço. Mas, depois que o Twitter ganhou sua própria ferramenta de publicação de imagens, a empresa começou a apertar o cerco contra aplicativos concorrentes.

Em setembro deste ano, a equipe do TwitPic divulgou um comunicado no qual dizia que uma disputa judicial de marca com o Twitter levaria ao fim do serviço. A disputa se prolongou por algumas semanas e foi resolvida apenas no fim de outubro, quando o Twitter comprou o TwitPic e fechou o serviço , mas manteve as imagens já publicadas no ar.

10 - Diretório de sites do Yahoo

Em meados dos anos 1990, muito antes do nascimento do Google e numa época em que ferramentas de busca eram raras e precárias, só havia um jeito eficiente de achar um site na web: procurar em um diretório de sites. Esses diretórios eram essencialmente coleções de links organizados por categorias, e o Yahoo, criado em 1994, era certamente o maior e mais importantes deles.

Com o avanço da web e a automação trazida pelas ferramentas de busca, os velhos diretórios atualizados "no braço" por editores humanos perderam o sentido e o mais tradicional deles foi fechado neste ano, como parte de mais uma reestruturação do Yahoo.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.