Abstinência de tecnologia causa sintomas preocupantes nos jovens

Por Kao ‘Cyber’ Tokio

Em um momento curioso, em que o Comitê Gestor da Internet no Brasil acaba de divulgar os resultados de uma pesquisa sobre o uso da rede no processo educativo da rede pública de ensino, o site norte-americano Education Database Online apresenta um infográfico que demonstra a frequência de acesso dos alunos locais à tecnologia e aos gadgets eletrônicos em geral.

As diferenças são evidentes, como era de se esperar, mas é curioso perceber que por lá também há discrepâncias de conceito, como o fato de que apenas 10% dos alunos acredita que anotações no caderno são importantes para os estudos.

De acordo com a pesquisa, 98% dos estudantes possuem algum tipo de dispositivo eletrônico e, segundo dados de um levantamento da Universidade de Maryland, a abstinência de uso da tecnologia por aproximadamente 24 horas levou vários jovens a apresentar sintomas similares aos da dependência de drogas e álcool.

No momento em que se discute o futuro do livro e a lenta adoção do ebook como formato de leitura, impressionantes 46% dos entrevistados apontou preferência pelo formato digital para suas leituras, ao passo que 82% deles utiliza os dispositivos eletrônicos para escrever.

Enquanto a pesquisa do CGI.br afirmava que “apenas 20% dos professores se utilizam dos recursos da Internet como instrumento para organizar e mediar a comunicação entre professor e aluno e entre os próprios alunos”, o levantamento do Onlineeducation afirma que 91% dos estudantes dos EUA troca informações com seus professores através do Twitter e 13% deles os contata via celular.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.