Relatório enviado a um tribunal dos EUA afirma que terceiros estão sendo prejudicados pelo congelamento dos dados

A Electronic Frontier Foundation (EFF), uma organização sem fins lucrativos que protege a liberdade de expressão no contexto digital, enviou um relatório na última sexta-feira (30) pedindo à corte federal dos Estados Unidos para que libere os dados do Megaupload que foram tirados do ar em janeiro .

Leia mais:
Provedor do Megaupload pede US$ 9 mil por dia para manter dados
Estúdios de Hollywood teriam buscado acordos com Megaupload
Megaupload enfrenta o primeiro processo por pirataria nos EUA

Usuários do site não podem acessar os dados armazenados no Megaupload desde 19 de janeiro. O relatório foi enviado após a EFF receber uma denúncia de Kyle Goodwin, repórter esportivo, que usava o Megaupload para armazenar vídeos e não pode acessar seus arquivos desde o fechamento do Megaupload.

Desde que foi fechado, o Megaupload tem causado problemas a terceiros. O servidor Carpathia, no qual se hospedava todos os arquivos do Megaupload, pediu a corte federal do Estado da Virgínia (EUA) uma permissão para apagar os arquivos ainda hospedados. O servidor alega que gasta US$ 9 mil por dia para manter os arquivos dentro dos seus servidores. Caso a autorização não seja cedida pela justiça, o Carpathia pedirá que as partes interessadas no suporte dos dados, como o Federal Bureau of Investigation (FBI), paguem o valor investido.

O site de compartilhamento de arquivos foi tirado do ar em janeiro deste ano por conta de acusações sobre pirataria de músicas e filmes. Os responsáveis pelo site, inclusive seu fundador Kim DotCom, foram presos, e agora enfrentam, em liberdade condicional , processos sobre pirataria online.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.