Jogo é retirado do ar por "incentivar" assassinato de aborígenes na Austrália

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

A descrição do aplicativo promete aos usuários uma "experiência inesquecível"

BBC

Em Survival Island 3: Australia Story 3D, jogadores recebem recompensas, como armas e comida, ao matar nativos
Survival Island 3 Australia Story 3D
Em Survival Island 3: Australia Story 3D, jogadores recebem recompensas, como armas e comida, ao matar nativos

Um jogo foi retirado das lojas virtuais do Google e da Apple após ser alvo de uma petição virtual por incentivar a morte de aborígenes na Austrália. 

Em Survival Island 3: Australia Story 3D, os jogadores precisam sobreviver às condições adversas do deserto australiano. Entre caçar canguros e se defender do ataque de jacarés, eles são desafiados a matar aborígenes, pelos quais recebem recompensas, como armas e comida. 

O abaixo-assinado, que obteve mais de 60 mil assinaturas, foi criado pela australiana Georgia Mantle. Na petição, Mantle diz que o jogo promove violência racial e estereótipos negativos sobre a população aborígene. 

Em entrevista à rede de TV australiana ABC, ela afirmou que o app "gerava entretenimento a partir do assassinato de pessoas baseadas em sua raça". 

"Por que as lojas virtuais permitiriam em seus servidores um aplicativo que é tão descaradamente racista e promove a violência racial?", questionou ela à emissora. 

Um porta-voz do Google ouvido pela ABC disse que a empresa não faz comentários sobre apps individualmente, mas acrescentou que todos os aplicativos que violem suas regras são removidos. 

Descrição do jogo promete aos usuários uma
Survival Island 3 Australia Story 3D
Descrição do jogo promete aos usuários uma "experiência inesquecível"

Já a Apple afirmou que o jogo não se encontra mais disponível no iTunes. 

A descrição do app promete aos usuários uma "experiência inesquecível". 

"Seu objetivo é sobreviver…Você vai ter de lutar contra aborígenes...Será uma experiência inesquescível; então divirta-se!" 

O ministro das Comunicações da Austrália, Mitch Fifield, disse que solicitaria mais informações sobre as circunstâncias do lançamengo do jogo. 

"Estou chocado que alguém desenvolva um "jogo" desse tipo e que alguma plataforma aceite hospedá-lo", disse. 

"Pedi a minha equipe que me forneça detalhes sobre o lançamento do jogo, além de investigar outros jogos do mesmo desenvolvedor", acrescentou. 

Já o Comissário para a Discriminação Racial da Austrália, Tim Soutphommasane, pediu às pessoas que se sentiram ofendidas pelo jogo de fazer uma reclamação oficial. 

"É inaceitável vermos tal promoção de violência e ódio contra o povo aborígene", disse ele.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas