Serviços como Wave, Friend Connect, linha do tempo da busca e Google Gears já tem data de encerramento

O Google anunciou hoje a data do cancelamento de sete serviços, entre eles o Google Wave, que sairá do ar definitivamente em 30 de abril de 2012. O Google já havia anunciado que iria cancelar o serviço de comunicação , que incluia ferramentas de chat, e-mail e aplicativos, em agosto de 2008, no entanto não havia informado quando tiraria o serviço do ar. Os usuários ainda poderão ler o conteúdo armazenado no serviço até 31 de janeiro do ano que vem.

LEIA TAMBÉM:
Google Labs será fechado
Google cancelará Buzz e rival do Twitter
Google Wave será desativado

Data da
Wikimedia Commons
Data da "morte" do Google Wave é anunciada pelo Google
Entre os outros serviços conhecidos que o Google cancelará estão também o Google Friend Connect, que permite adicionar recursos sociais a blogs e sites. O recurso ficará disponível apenas para usuário do Blogger.

O Google Gears, que permitia que os usuários acessassem versões do Gmail e do Google Agenda mesmo offline, será cancelado em breve também. A partir de 1º de dezembro, quando o serviço cancelado, os usuários poderão usar um aplicativo para o Chrome a partir da Chrome Web Store, para acessar o Gmail e a Agenda quando estiverem desconectados.

Outros serviços também serão cancelados entre o final de 2011 e metade de 2012: listas de favoritos do Google, linha do tempo da busca, Knol (ferramenta de colaboração para artigos) e o projeto de pesquisa de fontes de energia renováveis mais baratas que o carvão (RE<C). "Estamos em processo de fechar alguns projetos e serviços que não tiveram o impacto que esperávamos", diz Urs Hölzle, vice-presidente de operações e conselheiro do Google.

Neste ano, o Google já havia anunciado o fim de outros 10 serviços de uma única vez, entre eles o Google Desktop e o Google Pack . Outros serviços já haviam sido cancelados no ano passado, mas o corte dos serviços aumentou após Larry Page , co-fundador do Google, assumir o cargo de CEO no lugar de Eric Schmidt, sob críticas de que a empresa estava sem foco.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.