Após anunciar que nome e gênero deviam ser publicados, rede social volta atrás e permite gênero continue privado

Duas semanas após a sua estréia na web , o Google+ começa a fazer suas primeiras atualizações. Agora, a rede social permite que seus usuários ocultem o gênero (masculino, feminino ou outro, válido para páginas de empresas, por exemplo). O Google tinha avisado que os usuários teriam que tornar público ao menos nome e gênero até 31/07. A proibição de perfis privados continua. Quem não deixar seu perfil público até o fim deste mês será excluído do Google+.

Em um vídeo disponibilizado pelo Google na última terça-feira (12/07), Frances Haugen, gerente de produto do Google, anunciou que a mudança entrará em vigor esta semana. Segundo a gerente, o sexo pode ser um assunto sensível, principalmente na internet.

Haugen diz ainda que o gênero é útil para personalizar o Google+, principalmente em idiomas como o inglês, que possui palavras masculinas e femininas. Se o gênero estiver privado, a rede social usará palavras genéricas como eles no lugar de ele ou ela.

Siga o iG Tecnologia no Twitter Siga o iG Tecnologia no Twitter

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.