O acordo poderia ser um dos mais importantes na luta da indústria contra a pirataria


Por Daniel Pavani

Algumas das maiores empresas provedoras de internet dos Estados Unidos podem estar prestes a fechar um acordo com a indústria musical e de cinema do país, para um controle mais rígido de acesso dos piratas de arquivos digitais à rede.

Siga o iG Tecnologia no Twitter Siga o iG Tecnologia no Twitter


Pelo menos é o que conta o site CNET . Em uma matéria exclusiva, o site explica que as grandes provedoras de internet do país, como a AT&T, a Verizon e a Comcast, estão muito perto deste acordo com a RIAA (Recording Industry Association of America) e a MPAA (_Motion Picture Association of America), as representantes das 4 principais gravadoras musicais e dos 6 principais estúdios de Hollywood, respectivamente.

Ainda de acordo com o site, o acordo propõe uma pena gradual para aqueles que continuamente infringirem os direitos autorais em compratilhamento de arquivos na rede. Medidas judiciais já existem para este tipo de crime, porém, o papel dos provedores (ISP, internet service provider) pode ser ainda mais importante. RIAA e MPAA oferecem algumas medidas que os ISPs podem tomar contra os piratas.

As medidas vão desde a diminuição da velocidade de sua conexão, até a limitação de seu acesso a internet. Um dos exemplos para este segundo caso é fazer com que o usuário só possa visitar os 200 maiores sites (que dificilmente terão material ilegal) até que o compartilhamento de arquivos seja interrompido.

As fontes do site CNET, porém, garantem que não há nos planos qualquer menção a proibir totalmente o acesso dos acusados à internet. Entretanto, há quem ache que não é correto penalizar um usuário da rede apenas baseado nas acusações da outra parte, no caso, a indústria do entretenimento. Mesmo assim, os planos são ainda apenas planos, mas com potencial de ser um dos mais importantes acordos da luta da indústria contra a pirataria.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.