Os sensores do Kinect reconhecem objetos e enviam sinais vibratórios ao usuário

Por Fernanda Morales

Quando a Microsoft desenvolveu seu aparelho Kinect ela não podia imaginar que seu produto ganharia outras formas e funções para ajudar milhares de pessoas ao redor do mundo. Dessa vez, uma dupla de estudantes da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, modificou um Kinect para ajudar pessoas com deficiência visual se locomoverem sem riscos.

O Kinecthesia , como foi intitulado o projeto desenvolvido por Eric Berdinis e Jeff Kiske, poderá atuar como um cão-guia, permitindo que cegos se locomovam sozinhos com a ajuda de sensores que identificam objetos e enviam diferentes sinais vibratórios aos usuários.

Os estudantes retiraram o sistema de câmeras do Kinect do seu tradicional case e o acoplaram a um cinto comum, tornando o Kinecthesia simples e prático de ser utilizado. Um vídeo em inglês produzido pelos alunos mostra o Kinecthesia em ação:

O sistema detecta a localização dos objetos e sua profundidade utilizando os sensores do Kinect. A informação captada pelas câmeras é processada em uma BeagleBoard, plataforma aberta de computadores, e depois enviada a seis motores de vibração localizados na esquerda, centro e direita do usuário.

A ideia do Kinecthesia surgiu durante as aulas de sistemas, quando os alunos foram informados que precisariam desenvolver um aparelho para a área da saúde. O projeto foi muito bem recebido durante a Conferência Google´s Zeitgeist Young Minds e já está ganhando muita repercussão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.