Meta de 30 milhões foi reduzida a 24 milhões

SEUL/HELSINQUE - A LG Electronics reduziu suas metas de vendas na quinta-feira, enquanto se esforça para ganhar espaço no competitivo mercado de smartphones.

Siga o iG Tecnologia no Twitter Siga o iG Tecnologia no Twitter

A empresa sul-coreana, terceira maior fabricante mundial de celulares pelo critério de volume, também anunciou que não tem como prever quando a situação de sua divisão de celulares, que já reportou quatro trimestres consecutivos de prejuízos, será revertida.

A LG vem demorando mais que sua rival local de maior porte, a Samsung Electronics, a reorientar seu foco para os smartphones, e a escala menor de suas operações impediu que ela lucrasse com a alta na demanda por celulares mais baratos.

"Nosso desempenho geral está melhorando gradualmente... mas é difícil oferecer previsão precisa sobre quando sairemos do vermelho devido às mudanças rápidas pelas quais o ambiente de mercado externo vem passando", disse Park Jong-seok, o responsável pela divisão de celulares da LG, a jornalistas.

A companhia reduziu sua projeção de vendas de smartphones em 2011 a 24 milhões de unidades, ante meta anterior de mais de 30 milhões, e também cortou a projeção total para as vendas de celulares de mais de 150 milhões de unidades para 114 milhões.

No primeiro semestre, a LG vendeu quase 500 milhões de celulares, entre os quais pouco mais de 10 milhões de smartphones, disse Park.

Em contraste, a estimativa mais comum é a de que a Samsung tenha vendido 19 milhões de smartphones só no segundo trimestre.

"A fraqueza da LG nos smartphones está influenciando seus demais modelos e prejudicando severamente suas margens de lucro. As recentes quedas de preços nos celulares Nokia refletem a natureza feroz da situação econômica que todos os fabricantes de celulares enfrentam", disse Ben Wood, diretor de pesquisa da CCS Insight.

A Nokia, que como a LG está demorando a reformular sua linha de celulares mais sofisticados, baixou o preço de seus smartphones em até 15% na Europa, duas fontes do setor informaram à Reuters esta semana.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.