Cerca de 1,3 milhão de sites foram fechados na China em 2010, segundo um centro de estudos do governo chinês

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=tecnologia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1597102027419&_c_=MiGComponente_C

De acordo com o Relatório sobre o Desenvolvimento da Indústria de Novas Mídias na China, apresentado pela Academia Chinesa de Ciências Sociais, havia 41% menos sites na China no final do ano de 2010 do que no mesmo período do ano anterior.

Nos últimos anos, autoridades chinesas tornaram mais rígido o controle sobre a internet. Em 2009, o governo deu início a uma perseguição aos sites de pornografia.

No entanto, o pesquisador do Instituto de Pesquisa sobre Mídia Liu Ruisheng, um dos responsáveis pelo levantamento, disse que a diminuição no número de sites não tinha relação com o controle governamental.

Durante a apresentação do estudo, ele disse que a China tem "um alto nível de liberdade de expressão".

'Supervisão rigorosa'

De acordo com Liu, o número de páginas de conteúdo nos sites em funcionamento aumentou para 60 bilhões - 79% a mais do que no ano anterior -, apesar da redução no número total de sites.

"Isso quer dizer que o nosso conteúdo (na internet) está mais forte, enquanto nossa supervisão está se tornando mais rigorosa e ordenada", disse.

No entanto, ativistas pelos direitos civis vem protestando contra a censura à internet do governo chinês. De acordo com críticos, muitos sites são fechados no país por razões políticas.

O levantamento diz ainda que cada vez mais chineses usam fóruns online para debater acontecimentos do país e do mundo.

Uma série de sites são bloqueados habitualmente, como o serviço de língua chinesa da BBC e sites de redes sociais como Facebook, YouTube e Twitter.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.