Empresa pagará quantia não revelada para usar Android sem ser processada pela Microsoft no futuro

A Microsoft anunciou hoje que firmou um acordo com a Acer sobre a infrações de patentes do Android, sistema operacional do Google que a Acer adota em alguns de seus smartphones e tablets. Com o acordo, que não teve o valor revelado, a Acer passa a poder usar o sistema em seus produtos sem arcar com possíveis indenizações em relação ao uso indevido de patentes da Microsoft no Android.

O acordo é polêmico porque parte do princípio de que alguns recursos e funcionalidades do Android, sistema de código aberto baseado em Linux que tem no Google seu principal desenvolvedor, são de propriedade da Microsoft. Apesar de não admitirem o fato, alguns fabricantes têm estebelecido acordos com a Microsoft para não sofrerem processos no futuro, como a HTC .

"Este acordo é um exemplo de como os líderes da indústria podem chegar a acordos comerciais razoáveis para endereçar problemas de propriedade intelectual", disse Horacio Gutierrez, vice-presidente corporativo e conselheiro geral de propriedade intelectual da Microsoft.

Segundo mensagem de Brad Smith, conselheiro geral da Microsoft, no Twitter, agora a Microsoft já tem seis acordos de propriedade intelectual relacionados ao Android. "Estou seguro em prever que mais acordos virão ainda nesta temporada."

Guerra de patentes

A disputa entre grandes empresas como a Microsoft e a Apple e o Google por patentes esquentou no último mês, após o Google acusá-las de usar suas patentes para prejudicar o avanço do Android , que está em ritmo acelerado de crescimento em todo o mundo. As acusações aconteceram após um consórcio de empresas comprarem um grupo de patentes da Nortel e da Nowell - patentes que o Google estava interessado.

Pouco tempo depois, ao anunciar a compra da Motorola , o Google deixou claro que, além de ter interesse nos produtos fabricados pela empresa, a aquisição teve o objetivo de proteger o Android, já que a Motorola detém grande número de patentes relacionadas a telecomunicações.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.