Aparelhos com Windows Phone chegarão no país para reconquistar mercado

PEQUIM/HELSINQUE - A Nokia começará a vender na China em abril uma nova linha de smartphones que usa software da Microsoft, uma medida para reconquistar o mercado que perdeu para Apple e Samsung. A Nokia projetou os celulares para atrair consumidores chineses, facilitando a conexão com as plataformas de microblogs e mensagens de texto, altamente populares na China.

Leia mais:
Nokia e Microsoft cortejam desenvolvedores no Brasil
Grande aposta da Nokia, celulares Lumia chegam ao Brasil

Celulares da Nokia com Windows Phone chegarão em abril na China
Getty Images
Celulares da Nokia com Windows Phone chegarão em abril na China
A China se tornou um dos mercados de maior crescimento para os fabricantes de smartphones. O presidente-executivo da Apple, Tim Cook, está em Pequim para conversas com autoridades sobre problemas que variam de questões trabalhistas à disputa pela marca iPad no país.

A decisão da Nokia será um teste importante para o Windows Phone, que até o momento teve pouco apelo. A Nokia, a maior fabricante mundial de celulares em volume, depende do sucesso da linha que roda Windows, depois de abandonar a plataforma própria de software para smartphones, no ano passado.

O presidente-executivo da Nokia, Stephen Elop, revelou dois modelos baseados no Lumia 610 e no Lumia 800 mas otimizados para redes chinesas, que chegarão inicialmente ao mercado pela China Telecom, a terceira maior operadora de telefonia móvel do país.

O Lumia 800c será vendido desbloqueado por 3.599 iuans (US$ 573) a partir de abril, disse Elop. O preço do 610c, que sairá na China no segundo trimestre e foi concebido como celular básico para atrair usuários jovens, ainda não foi anunciado.

A Nokia também planeja lançar as séries 700, 800 e 900 no mercado chinês, e no futuro eles estarão disponíveis para as três operadoras chinesas de telefonia móvel, incluindo a China Mobile e China Unicom, disse o vice-presidente executivo mundial de vendas da Nokia, Colin Giles.

Giles não especificou um cronograma de lançamento destes modelos, pensados especificamente para o mercado chinês. "Temos investido pesado na China", disse Giles a jornalistas. "Estamos inovando para a China na China, o que diversos de nossos concorrentes não fazem", acrescentou.

Por Terril Yue Jones e Tarmo Virki

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.