Tamanho do texto

A partir de 11 de novembro, empresa passará a utilizar nomes, fotos e comentários de internautas nos sites de seus serviços para validar links patrocinados

O Google informou, nesta sexta-feira (11), que uma nova versão de seus termos de serviço entrará em vigor em 11 de novembro. A nova versão do documento, que rege as relações entre os usuários e os serviços do Google, como busca, e-mail, mapas, entre outros, permite que a empresa utilize nomes de usuário, fotos e comentários dos usuários de seus serviços, com informações sobre suas opiniões sobre produtos, em anúncios exibidos para outros internautas.

LEIA TAMBÉM:
Conheça 4 ferramentas para manter sua privacidade na web

A partir de 11 de novembro, nomes, fotos e opiniões de usuários poderão aparecer associados a links patrocinados na busca do Google
Divulgação
A partir de 11 de novembro, nomes, fotos e opiniões de usuários poderão aparecer associados a links patrocinados na busca do Google

Os novos termos permitirão que o Google possa utilizar comentários feitos na rede social Google+ ou na seção de comentários de outros sites, como o YouTube ou a loja virtual Google Play, para validar produtos ou serviços anunciados por empresas por meio dos links patrocinados.

Esses anúncios aparecem no topo dos resultados de busca do Google, mas também em diversos sites da web que fazem parte da rede de publicidade do Google AdWords.

Chamado de "recomendações compartilhadas" , o novo recurso permite ver que um amigo, por exemplo, clicou no botão +1 (equivalente ao Curtir, do Facebook), ao visitar a página de um aplicativo à venda no Google Play. O mesmo acontecerá quando uma pessoa buscar um restaurante próximo no Google. Se um amigo já tiver feito um comentário positivo por meio de algum serviço do Google sobre o local, ele aparecerá ao lado do anúncio exibido ao usuário.

No documento que explica as mudanças, o Google afirma que "as atividades, comentários, marcações com +1, páginas que você segue, compartilhamentos, etc., poderão ser usadas com seu nome e sua foto em contextos comerciais ou promocionais" pela empresa. A partir de 11 de novembro, ao continuar a usar os serviços do Google, o usuário automaticamente concorda com a nova versão dos termos de serviço.

Recomendação dos amigos

A estratégia do Google é similar à adotada pelo Facebook ao lançar um recurso chamado de "histórias patrocinadas" na rede social. Desde 2011, o site exibe anúncios aos usuários da rede social com uma marcação que indica que um amigo curtiu a página da empresa na rede social. Ao receber a recomendação positiva de um amigo sobre um produto ou serviço, o usuário fica mais propenso a aceitar a oferta da empresa.

Contudo, as empresas não remuneram o usuário pelo uso de sua opinião, apesar de ganharem dinheiro com ela ao vender anúncios. Muitos usuários sentem que sua privacidade foi invadida ao perceberem que seu nome e foto, bem como comentários publicados na web, estão sendo associados a anúncios de empresas, sem o seu consentimento.

No caso do Facebook, por exemplo, a empresa foi condenada a pagar R$ 47 milhões a um grupo de cinco usuários em agosto de 2013, em um processo relacionado ao recurso de histórias patrocinadas. Na decisão, a empresa foi penalizada por adotar a prática sem informar aos usuários sobre a utilização de seus dados ou permitir que as pessoas pudessem impedir que suas informações fossem usadas em anúncios exibidos na rede social.

De acordo com o processo, o Facebook recebeu dos anunciantes aproximadamente US$ 234 milhões (cerca de R$ 556 milhões) pelas histórias patrocinadas entre janeiro de 2011 e agosto de 2012.

O Facebook também já enfrentou outras polêmicas relacionadas ao uso de informações dos usuários em anúncios. No final de 2012, a empresa propôs novas regras para o Instagram que permitiriam que fotos dos usuários fossem utilizadas em anúncios exibidos dentro do serviço. Após uma feroz reação dos usuários, a empresa voltou atrás na decisão .

No menu de configurações do Google+, usuário deve desativar Recomendações Compartilhadas para não validar anúncios do Google
Reprodução
No menu de configurações do Google+, usuário deve desativar Recomendações Compartilhadas para não validar anúncios do Google

Como desabilitar

No caso das recomendações compartilhadas do Google, os usuários poderão "limitar o uso de seu nome e de sua foto em recomendações compartilhadas em anúncios".

Contudo, essa limitação se aplica somente a anúncios: o Google continuará exibindo a foto, nome e comentários dos usuários associados a resultados de busca, num esforço para tornar os resultados cada vez mais personalizados. Este recurso só funciona quando o usuário faz uma busca e está logado em sua conta do Google.

Para impedir que seus dados e opiniões sejam mostrados em links patrocinados, o usuário deverá acessar seu perfil na rede social Google+ e clicar em "Configurações de conta" após 11 de novembro, quando os novos termos de uso entram em vigor. Antes desta data, o recurso aparecerá como desativado na página de configurações, já que os termos de uso ainda não estão em vigor.

Ao acessar as configurações, basta clicar sobre o link "Google+", na barra de opções localizada na lateral esquerda da página. O internauta deve localizar o título "Recomendações compartilhadas" e clicar em "Desativar".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.