Tamanho do texto

Novo produto chegará ao mercado americano com preço de cerca de R$ 140 no início de 2014 e será compatível com dispositivos que rodam Android e Windows Phone

Uma startup americana especializada em segurança está investindo em uma nova forma de manter os smartphones e tablets livres de vírus e outros malwares. A empresa desenvolveu um dispositivo que, enquanto carrega a bateria do celular, verifica se o aparelho está infectado com algum vírus e elimina as ameaças. Quando o usuário desliga o aparelho da tomada, ele sai recarregado e recuperado.

LEIA TAMBÉM:
Vírus que sequestra e pede resgate chega a smartphones e tablets com Android
iG lança antivírus para computadores e smartphones

Desenvolvido pela startup Kaprica Security, carregador também busca vírus no smartphone
Divulgação
Desenvolvido pela startup Kaprica Security, carregador também busca vírus no smartphone

O novo produto é fabricado pela Kaprica Security e se chama Skorpion. De acordo com o site da Technology Review , revista do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), o novo dispositivo deve chegar ao mercado no início de 2014, a princípio para empresas, e custará US$ 65 (cerca de R$ 140). Além disso, o usuário deverá pagar uma assinatura mensal em torno de US$ 4 (cerca de R$ 8,50) para que a empresa envie atualizações periódicas.

Segundo a empresa, a varredura feita por um dispositivo externo é mais eficiente para localizar vírus que se escondem no dispositivo para roubar a senha do banco ou de acesso ao e-mail. Como o Skorpion não depende do sistema operacional, memória ou processador do smartphone para funcionar, é mais difícil que ele seja enganado por programas maliciosos que tentar modificar resultados legítimos de varreduras de software antivírus.

Os vírus para dispositivos móveis ainda são poucos quando comparados com os vírus para PCs, no entanto, o número de ameaças para dispositivos móveis cresce rapidamente. De acordo com a empresa de antivírus McAfee, os pesquisadores da empresa localizaram mais de 17 mil amostras de vírus para smartphones durante o segundo trimestre. O número equivale ao total de amostras encontradas ao longo de todo o ano de 2012.

O sistema operacional Android, desenvolvido pelo Google, é o sistema mais afetado pelos vírus criados para dispositivos móveis. De acordo com estudo da Symantec, divulgado em abril de 2013, o número de ameaças virtuais criadas para smartphones e tablets cresceu 58% em 2012. Do total, 97% dos vírus encontrados pela Symantec foram criados para roubar informações de usuários de aparelhos com Android. 

O Skorpion, apesar de desenvolvido pela Kaprica, será colocado no mercado em parceria com a Belkin, fabricante de acessórios para eletrônicos, que será responsável por produzir o aparelho. A empresa pretende trabalhar em parceria com os fabricantes de smartphones e tablets para garantir a interoperabilidade do produto.

O novo carregador, que ainda não é um produto finalizado, já está bastante avançado para o uso nos atuais smartphones com Android. Até o lançamento, a empresa deve adicionar o sistema operacional Windows Phone entre as plataformas compatíveis. Por enquanto, a empresa ainda não anunciou se o produto será compatível com o iPhone e o iPad.

Como funciona

O novo produto tem funcionamento bastante simples: o usuário deve plugar o carregador na tomada e no smartphone. O aparelho fará uma verificação de segurança no smartphone e, se estiver protegido, acenderá uma luz verde. Se o smartphone estiver plugado ao carregador, o sistema iniciará um processo mais demorado de verificação, que inclui o envio de arquivos do sistema para análise no carregador. O processo demora cerca de quatro minutos.

A análise é feita localmente e o usuário não precisa de uma conexão Wi-Fi ativa. No entanto, o carregador pode usar a conexão do smartphone para baixar atualizações do software antivírus. Se o aparelho encontrar algum vírus no smartphone, uma luz vermelha se acenderá e o sistema poderá reparar o aparelho, com base em uma versão mais antiga do sistema operacional armazenada para recuperação.

Veja abaixo alguns dos golpes mais realizados em redes sociais:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.