Tamanho do texto

Em evento para desenvolvedores, o Google I/O, empresa anunciou novidades do seu sistema operacional, o Android

Sundar Pichai, vice-presidente sênior do Android, Chrome e Apps, abriu o primeiro dia de Google I/O 2015, evento para desenvolvedores do Google
AP Photo/Jeff Chiu
Sundar Pichai, vice-presidente sênior do Android, Chrome e Apps, abriu o primeiro dia de Google I/O 2015, evento para desenvolvedores do Google

Como já era esperado, uma nova versão do Android, chamada provisoriamente de M, deve chegar até o final deste ano. Este foi um dos primeiros anúncios feitos aos desenvolvedores presentes no Google I/O, evento que acontece nesta quinta-feira (28) e na sexta-feira (29) em São Francisco, nos Estados Unidos. 

LEIA MAIS:  Google I/O: reformulado, app de fotos do Google oferece armazenamento ilimitado

De acordo Dave Burke, vice-presidente de engenharia do Google, com o Android M, o Google quer voltar ao básico, aos pilares que fizeram o sistema um sucesso. Depois de uma versão focada na interface, como foi o caso da Lollipop 5.0 com o conceito de material design, o Google quer apostar em uma versão mais focada na estabilidade e na usabilidade do software.

O executivo disse que o Google tem observado o que as fabricantes de dispositivos móveis e outros usuários da plataforma aberta adicionam ao Android e que deve trazer algumas dessas melhorias para a versão M. Há seis novas áreas em foco no Android M, que vão desde novos recursos até formas de melhorar o desempenho e a eficiência dos aparelhos: permissão de apps, experiência na web, links entre aplicativos, pagamento móvel, suporte a leitor de impressão digital, carregamento e energia.

Usuário poderá escolher que recursos do aparelho cada aplicativo poderá ter acesso
Divulgação
Usuário poderá escolher que recursos do aparelho cada aplicativo poderá ter acesso

Uma das novidades é o sistema de permissões do Android. A partir da versão M, os usuários serão capazes de aprovar ou negar cada permissão de segurança, e para cada aplicativo. Por enquanto, há oito categorias de permissão: contato, telefone, câmera, localização, microfone e SMS. Até a versão Lollipop, o usuário precisava aprovar ou negar todas as permissões de uma vez só. Agora, o aplicativo precisará pedir por cada uma e o usuário poderá sempre desabilitar alguma se assim desejar. Uma solução similar já existe no iOS, sistema operacional da Apple para iPhones e iPads.

O Android M também vai melhorar a experiência do usuário com o Chrome dentro dos aplicativos, tornando a ida do usuário para web mais fluída, sem que ele tenha que mudar de um app para o navegador. Outra novidade é a conexão entre aplicativos. Agora, o desenvolvedor poderá dizer que app deve abrir aquele conteúdo, ao invés do Android perguntar ao usuário que programa escolher. Nesse sentido, os apps precisarão ser adaptados pelos desenvolvedores.

A nova versão também trará uma novo modo, chamado Doze, que inteligentemente desliga seu smartphone ou tablet quando ele não está em uso por um longo período de tempo, como se fosse uma extensão do modo espera. Neste modo, ele será capaz de disparar alarmes e de receber notificações de contatos colocados como favoritos, mas estará dormindo profundamente por assim dizer. É uma forma de garantir maior duração da bateria. No teste feito com o tablet Nexus 9, o Android M garantiu uma duração de bateria de até duas vezes mais do que o Lollipop graças a esse novo modo de espera.

A outra grande novidade na área de energia é o suporte ao USB Tipo-C, algo já esperado visto que seus novos Chromebooks possuem esse tipo de conector reversível, além do novo MacBook, da Apple. O Google diz que o novo padrão vai acelerar o carregamento do telefone de uma forma significativa, três a quatro vezes mais rápido. Além disso, o USB-C é bastante versátil: ele pode transferir dados e energia em ambos os sentidos e pode ser conectado em qualquer orientação. Nos equipamentos que vieram com esse padrão, o usuário poderá escolher, a cada momento em que conectar um cabo, se o gadget será fonte de energia, se receberá energia, se vai transferir arquivos, fotos ou se vai usar o aparelho como um tocador de música.

Android Pay funcionará para pagamentos por NFC e também com o leitor de digital para pagamentos pela web ou em aplicativos
Divulgação
Android Pay funcionará para pagamentos por NFC e também com o leitor de digital para pagamentos pela web ou em aplicativos

O Android Pay, solução de pagamento móvel do Google, toma em definitivo o lugar do Wallet e será parte do Android M. Além disso, funcionará a partir do aplicativo próprio do sistema ou por meio de soluções que venham a ser criadas pelos bancos. Além disso, com o suporte a leitor de impressão digital do Android M, desenvolvedores poderão criar soluções que utilizem a impressão digital para liberar uma transação do Android Pay, por exemplo, entre várias outras possibilidades de autenticação. Ou seja, você poderá pagar compras com seu smartphone, via NFC, ou comprar usando o Android Pay com sua digital. 

Para aqueles que possuem aparelhos Nexus 5, 6 e 9 a versão preview para desenvolvedores do Android M já está disponível a partir desta quinta-feira (28). 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.