Tamanho do texto

Número de denúncias de suborno ou gastos irregulares do governo mais que triplicou após lançamento de ferramenta

O número da exposição de casos de corrupção na China subiu desde o lançamento de uma nova função em um aplicativo do governo que permite fazer denúncias de irregularidades, informou a agência de notícias estatal Xinhua.

O aplicativo, administrado pela Comissão Central de Inspeção Disciplinar do Partido Comunista, agora permite que usuários enviem texto e imagens como provas de "violações da disciplina" por membros locais do partido, segundo a Xinhua.

Aplicativo permite que usuários enviem texto e imagens como provas contra membros do Partido Comunista
Reprodução
Aplicativo permite que usuários enviem texto e imagens como provas contra membros do Partido Comunista

A comissão diz ter registrado uma forte alta no número de denúncias desde que o novo recurso foi lançado na quinta-feira - mais de mil em comparação aos cerca de 300 registrados num dia normal.

"Em certos momentos, estávamos recebendo três denúncias por minuto", disse uma autoridade à agência.

Usuários podem escolher entre 11 categorias de transgressões cometidas por funcionários do partido, como bancar jantares em restaurantes caros ou casamentos ou funerais de luxo usando recursos públicos.

Uma pessoa, por exemplo, denunciou a construção de um pomposo novo prédio do governo local, que violaria a política de frugalidade do partido.

O presidente chinês, Xi Jinping, tem promovido uma campanha anticorrupção desde que chegou ao cargo em 2012, dizendo que gostaria de pegar "tigres e moscas" - ou seja, quer punir tantos os corruptos de alto como de baixo escalão do governo.

Mas alguns usuários chineses de mídias sociais estão céticos sobre como usar o novo recurso.

"Quem se atreve a denunciar nomes reais?", pergunta uma pessoa no site de rede social Weibo. "Isto é alto risco, nada de bom pode vir disso".

Mas outros elogiaram a ferramenta como um passo positivo. Um usuário disse: "Eu bato palmas para cada palmo de progresso."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.