Tamanho do texto

Mi Band chega por R$ 95, enquanto a Mi Power Bank de 10.400 mAh custará R$ 99, à venda no site da empresa chinesa

Sem dúvida, o grande astro da chegada da Xiaomi no Brasil foi o Redmi 2, logo após do brasileiro responsável pela expansão da empresa chinesa e ex-Google, o mineiro Hugo Barra, é claro. No evento de lançamento, realizado em duas sessões em São Paulo, nesta terça-feira (30), Barra apresentou o primeiro smartphone a desembarcar no País e alguns acessórios que devem conquistar os usuários, especialmente os Mi Fãs, como são chamados os fãs da marca, que lotaram o Theatro NET.

LEIA:  Xiaomi chega ao Brasil com Redmi 2, celular 4G com dois chips por R$ 499

Concorrente da Xiaomi, Asus lança promoção "Chega de MiMiMi" para ZenFones

O primeiro lançamento é a Mi Band, pulseira inteligente que chega por R$ 95. Como outros do tipo,o acessório é capaz de registrar as atividades e de monitorar a qualidade do sono. Compatível com Android e iOS, o gadget integra notificações do telefone, como alertas de chamadas e SMS, além de alguns serviços da própria Mi Band, como alerta de meta diária atingida. Ou seja, a pulseira vibra quando uma notificação é recebida. 

Segundo a empresa, a Mi Band ainda funciona como despertador inteligente, pois vibra no horário determinado para acordar o usuário. A pulseira inteligente tem ainda resistência à água e bateria que dura cerca de 30 dias.

Já a Mi Power Bank nada mais é do que um carregador portátil, uma bateria de 10.400 mAh que pode salvar o usuário quando a energia do smartphone está no fim. Feito de liga de alumínio, a bateria carrega cerca de 2,5 aparelhos da Xiaomi, 4,5 vezes o iPhone 5S e 1,5 vezes o iPad Mini.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.