Tamanho do texto

Internet banda larga de quinta operação, da empresa Huawei, poderá possibilitar que carros se locomovam sem motoristas

Responsável pelos estudos que resultarão na internet banda larga de quinta geração (5G) da empresa Huawei, o engenheiro chefe e vice-presidente de Wireless Network da empresa, Mohamed Madkour, disse nesta segunda-feira (2) que a nova tecnologia começará a funcionar em 2020.

Antes disso, já em 2016, haverá dispositivos móveis operando com a chamada geração 4.5. “O 4.5G será possível com algumas alterações da quarta geração (4G), a partir de uma cesta de softwares M2M [termo que se refere à comunicação entre máquinas] e de uma estação de base que desenvolvemos”, disse Madkour à Agência Brasil, após participar, em Brasília, do seminário Huawei Innovation Day.

Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas
"Internet 5G pode ter uma alcance maior que o imaginado", afirma Mohamed Madkour

Segundo Madkour, para se ter uma ideia do que essa tecnologia trará em termos de velocidade para o tráfego de dados via internet, a 4G funciona a uma velocidade entre 100 e 200 megabits por segundo (Mbps).

“Algumas tecnologias já conseguem aumentar essa velocidade para algo próximo a 500 Mbps. Em 2016, com pequenas adaptações na nossa estação de base, chegaremos a 1 gigabite por segundo (Gbps), o que corresponde a 1 mil Mbps”, explicou o expert da Huawei.

“Testaremos na Copa do Mundo da Rússia a [banda larga] 5G, a uma velocidade de 10Gbps”, adiantou Madkour. Segundo ele, em um primeiro momento a tecnologia não será disponibilizada em larga escala.

“A princípio, tamanha velocidade não será necessária para pessoas normais. Sua utilidade certamente estará dirigida a novos modelos de negócio e de indústria, que ainda estão por vir e precisarão de maior automação. Claro que, dependendo, por exemplo, dos videogames que nossos filhos terão, a internet 5G pode ter uma alcance maior que o imaginado”, acrescentou.

Como exemplo prático dessa tecnologia, Mohamed Madkour citou a possibilidade de carros se locomoverem sem motoristas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.