Tamanho do texto

Novo sensor 1/2.3 Exmor RS e melhorias de software são alguns dos destaques da linha Xperia Z5, da Sony, que chega em três versões: padrão, Compact e Premium

Primeiro smartphone com tela 4K é da Sony
Emily Canto Nunes/iG
Primeiro smartphone com tela 4K é da Sony

Um dos poucos smartphones anunciados na IFA 2015 , feira que acontece em Berlim, na Alemanha, o Xperia Z5 chega para mudar a imagem da Sony no mercado. Desde o início do ano, a empresa está sob os holofotes: primeiro foram os rumores de que poderia deixar de fazer celulares, depois os frequentes prejuízos da divisão responsável pelos dispostivos móveis, até a chegada sem graça do Z4, em maio. Por esses e, certamente, outros motivos, a solução foi apresentar ao mundo algo que causasse impacto, como o primeiro aparelho com tela 4K.

Mesmo que o usuário tenha dificuldades de diferenciar uma tela 4K de uma 2K, por exemplo, a especificação enche os olhos de quem deseja ter a última palavra em termos de tecnologia. E, nesse sentido, a Sony marcou gol. Além disso, a câmera traseira da linha Xperia Z5 não só tem impressionantes 23 megapixels, mas também um novo sensor, o 1/2.3 Exmor RS, que poderá ser exclusivo para os aparelhos da marca.

Vale lembrar que a Sony fornece sensores de câmera para grande parte dos seus concorrentes como Apple, Samsung, Xiaomi e Huawei, e que uma possível exclusividade ajudaria a manter a empresa no cada vez mais difícil mercado de smartphones.

Xperia Z5: do Compact ao Premium

Phablet da Sony, o Xperia Z5 Premium de fato impressiona, e não apenas pela tela Ultra HD. É claro que com um display 4K o aparelho entrega imagens com mais contraste, mais cores e mais claridade. Se colocado lado a lado com um produto que possua tela Full HD, como fez a Sony em seu estande, a diferença é gritante. Porém, quando comparamos uma tela LCD com resolução 4K e uma tela com resolução 2K, como a do Galaxy Note 5, que é Super Amoled, não é bem assim. Em teoria, quanto mais pixels, melhor a imagem, certo? Só que da mesma forma que acontece com a música de alta definição, o Ultra HD também pode passar despercebido por alguns usuários. Talvez justamente por isso a Sony tenha trabalhado para garantir que o 4K não fosse a única característica do Z5 Premium. 

Para além da tela, o aparelho se destaca pelo tamanho, 5,5 polegadas, pela pouca espesssura, 0,7 cm, e, principalmente, pelo acabamento. Com a parte traseira espelhada e moldura metálica, o Xperia Z5 Premium na cor dourada pode tranquilamente ser chamado de lindo. A versão padrão, com tela de 5,2 polegadas Full HD, também está bonita, com uma estrutura de vidro fosco que esconde melhor as famosas marcas de dedos que tanto prejudicam o design dos mais diferentes smartphones de vidro. 

Já o Xperia Z5 Compact, a versão compacta, está inacreditavelmente feio. Com tela de 4,6 polegadas HD, o aparelho parece um tijolinho de plástico. Ele está, inclusive, mais grosso que seu antecessor, o Z3 Compact. Um aparelho que se propõe a ser menor não pode ser menor apenas altura. É preciso também cuidar da espessura. A Sony, que já criou uma TV tão fina quanto um smartphone, deveria ter aprendido isso, não?

Em termos de hardware, a linha Xperia Z5 também evoluiu. Todos os aparelhos possuem câmera traseira de 23 megapixels com abertura de f2.0, frontal de 5 megapixels, processador octa core da Qualcomm, o Snapdragon 810, e memória RAM de 3 GB e 32 GB de armazenamento, expansível para até 200 GB via cartão microSD. A entrada do cartão fica na lateral do aparelho, com a entrada para o chip da operadora, ambos devidamente protegidos por uma tampa que ajuda a garantir a resistência à água e à poeira, uma marca dos aparelhos da Sony. Além disso, os três são compatíveis com a rede 4G. A entrada do microUSB está na parte inferior dos aparelhos, sem tampa. A bateria varia de acordo com o tamanho do aparelho, de 2.700 mAh até 3.430 mAh, e conta com também famoso modo Stamina, da Sony.

A câmera, que pode manter a Sony no jogo, não possui apenas um novo sensor, mas também novos recursos de software. O autofoco, por exemplo, pode ser feito em apenas 0,03 segundo. Outra novidade é a função Clear Image Zoom de 5x, que faz um zoom digital de até cinco vezes com a mesma qualidade da imagem de um zoom ótico segundo a Sony, é claro. Por fim, a série Xperia Z5 traz a tecnologia de vídeo Steady Shot com a nova função Intelligent Active Mode, que melhora a estabilização de vídeo, mesmo em baixa luminosidade. 

Uma novidade que já estava na hora de chegar é o leitor de impressão digital, que nos celulares da Sony fica na lateral do produto, e não na frente como nos concorrentes. A forma de registrar a impressão digital também é diferente: como o botão é menor, você precisa encostar várias vezes o dedo, e várias partes dele, para que o leitor consiga reconhecer sua digital mesmo que você não encoste exatamente a mesma parte do dedo sempre. A primeira vista, pareceu confortável, mas só testando para ter certeza.

Uma boa notícia é que a Sony também evoluiu em termos de software. Rodando Android 5.1.1, os aparelhos da linha Xperia Z5, pasmem, trazem uma versão muito menos modificada do que as anteriores. Ao que parece, finalmente, a Sony entendeu que o design elegante dos seus aparelhos, pelo menos do Z5 e do Z5 Premium, precisa estar refletido na interface do sistema operacional. Em todos os Z5 que testei brevemente, o Android estava mais aparente, com poucos aplicativos embutidos e widgets instalados. Claro que pode ser algo momentâneo, para o lançamento, mas seria ótimo se seguissem assim para a mão dos clientes. É claro que eventualmente as fabricantes melhoram a plataforma com suas criações, mas a percepção é que, em geral, elas passam dos limites, e não apenas a Sony.

*A jornalista viajou para a Alemanha a convite da Asus Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.