Tamanho do texto

Além de pagar resgates aos criminosos, internautas também tiveram despesas com restauração de seus dispositivos ou dados e alguns até precisaram comprar um novo aparelho

No último ano, 45% dos internautas foram alvos dos chamados malware, softwares maliciosos mal-intencionados que se infiltram em um sistema de computador alheio de forma ilícita. Os dados são de uma pesquisa da empresa Kaspersky Lab em conjunto com a B2B Internacional.

Estudo mostra que anexos recebidos no e-mail foram algumas das razões para os internautas terem complicações em seus sistemas
Thinkstock
Estudo mostra que anexos recebidos no e-mail foram algumas das razões para os internautas terem complicações em seus sistemas

No total, um terço dos usuários tiveram prejuízo financeiro devido a infecções por malware. Além de pagar resgates aos criminosos, as vítimas tiveram também despesas com a restauração de seus dispositivos ou dados, com software para eliminar os efeitos das infecções e alguns tiveram até precisaram comprar um novo aparelho. Nesses casos, o custo médio dos ataques correspondeu a US$ 160 (aproximadamente R$ 610).

A maior porta de entrada de vírus nos dispositivos seriam sites não confiáveis. Além disso, pen drives infectados de terceiros e anexos recebidos no e-mail foram algumas das razões para os internautas terem complicações em seus sistemas.

Outro dado significante da pesquisa foi que 81% dos contágios causaram problemas para as vítimas. Alguns usuários notaram uma queda no desempenho do computador e também publicidades invasivas, que começaram a aparecer no sistema.

Já as consequências mais perigosas relatadas pelos internautas foram mudanças nas configurações dos navegadores ou sistemas operacionais sem o seu conhecimento, perda ou roubo de dados pessoais, publicações ou "curtidas" não autorizadas em redes sociais e comprometimento das webcams.

De acordo com o estudo, o sistema mais afetado por esses ataques foi o Windows – 83% dos usuários tiveram problemas –, seguido pelo Android (13%) e Mac OS X (6%).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.