Tamanho do texto

Objetivo é levar conexão para 70% das cidades e investir no desenvolvimento do 5G e da Internet das Coisas

Brasil Econômico

Ministro admitiu que projeto teve de ser readequado por conta do cenário econômico
Herivelto Batista/Ministério das Comunicações
Ministro admitiu que projeto teve de ser readequado por conta do cenário econômico

Com o objetivo de levar fibra ótica para 95% da população, o Ministério das Comunicações lançou o programa Brasil Inteligente, nova fase do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL). A meta é aumentar de 52% para 70% o número de municípios cobertos com fibra ótica. O governo também pretende levar conexões com velocidade média de 72 Mbps para 30 mil escolas públicas e investir no desenvolvimento do 5G e a Internet das Coisas até 2019.

A ampliação do PNBL, lançado em 2010, já vinha sendo discutida há alguns anos, mas nunca chegou a ser concretizada. O ministro das Comunicações, André Figueiredo, admitiu que o projeto teve que ser readequado por causa da conjuntura econômica e política do país: “Tivemos que readequar metas, prazos e valores orçados para os próximos três anos. Mas tivemos a preocupação de não mostrar algo inexequível”.

Para levar a fibra ótica para pequenas e médias cidades, o Ministério vai destinar R$ 400 milhões até 2019 para o Fundo Garantidor de Infraestrutura. O valor poderá ser usado como garantia junto às instituições financeiras para a contrução de redes por provedores menores.

"O Fundo Garantidor é uma demanda histórica. Esse recurso de R$ 400 milhões, dos quais R$ 50 milhões serão aportados este ano, certamente propiciará aos pequenos provedores continuar o belíssimo trabalho que eles já fazem em todo o Brasil. São mais de 5.500 provedores que merecem a atenção de todo o país", afirmou o ministro das Comunicações André Figueiredo.

Desenvolvimento da rede 5G

O Brasil Inteligente também prevê investimento em pesquisas sobre o 5G, a quinta geração da internet móvel. Para isso, as instituições que promovem pesquisas nesse campo contarão com recursos do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel).

O 5G vai permitir a implantação da Internet das Coisas, que propicia a conexão simultânea de diversos dispositivos e abre espaço para o uso de aplicações de cidades inteligentes, como controle de tráfego, iluminação pública, medidores de água, gás e eletricidade.

* Com informações de Agência Câmara e Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.