Tamanho do texto

Plataforma mantém distância para concorrentes como Apple Music em número de usuários por conta da versão gratuita

Reuters

Spotify paga 80% de sua receita a gravadoras e artistas não conseguiu lucro
Reprodução/Spotify
Spotify paga 80% de sua receita a gravadoras e artistas não conseguiu lucro

O serviço de transmissão de música Spotify anunciou nesta segunda-feira (20) que sua base de usuários ativos subiu de 75 milhões para 100 milhões com a entrada da empresa em novos mercados. Entretanto, o número não representa repesenta tranquilidade para empresa que ainda não conseguiu lucro.

LEIA MAIS:  Do catálogo ao consumo de dados: qual o melhor streaming de música?

Apesar da presença de rivais como Apple Music, que conta com 15 milhões de assinantes pagos, a companhia sueca manteve a maior base paga de assinantes do setor de plataformas de streaming de música, com 30 milhões de clientes. O restante segue optando pela versão gratuita do Spotify , que não oferece todos os recursos e interrompe a transmissão com propagandas.

A diferença entre o número de assinaturas pagas e o de usuários na versão gratuita mostra as dificuldades que a empresa encontra para aumentar sua receita. Fundado em 2006, o Spotify paga 80% de sua receita a gravadoras e artistas, e no ano passado, a empresa teve prejuízo operacional de € 184,5 milhões ante resultado negativo de € 165,1 milhões em 2014.

LEIA MAIS: Facebook e Spotify lideram lista de apps que mais consomem bateria e dados

De acordo com Daniel Ek, co-fundador da plataforma, o objetivo não é vender a empresa. "Minha ambição egoísta com o Spotify é só tentar mostrar... que podemos criar uma dessas super empresas aqui na Europa", disse o executivo a jornalistas no simpósio Brilliant Minds, que tem a meta de unir artistas e músicos à comunidade de tecnologia. Questionado se isso significa que não está disposto a vender a empresa, Ek disse: "Não vou vender, não."