Tamanho do texto

Televisões contam com tela de LCD, mas lâmpadas de LED contribuem com mais brilho e economia de energia

Brasil Econômico

Distância para a TV é um dos principais itens antes de comprar uma nova televisão
iStock
Distância para a TV é um dos principais itens antes de comprar uma nova televisão

Decidir por nova TV LED não é uma tarefa tão simples. Os aparelhos disponíveis no mercado apresentam diversas especificações que adiam a escolha do consumidor: resolução, conectividade, brilho. Estes são apenas alguns exemplos de itens que devem ser levados em consideração antes de comprar um novo aparelho. Pensando nisso, o Brasil Econômico criou uma lista com cinco itens que merecem a atenção de quem procura uma televisão nova.

As TVs LED não podem ser consideradas um novo formato de televisão. Os modelos contam com tela de LCD, presente em muitas televisões. A diferença está na iluminação feita por lâmpadas de LED, que oferecem mais brilho nas imagens. O método permite um baixo consumo de energia, se comparado aos demais aparelhos. Além disso, as televisões do tipo costumam ser mais finas e mais leves que as concorrentes.

Tamanho da tela

Um dos primeiros itens lembrados pelo consumidor é o tamanho da tela. Além de planejar se a televisão ficará em cima de um móvel ou pendurada na parede, é importante levar em conta o tamanho do ambiente onde a televisão ficará. Existem alguns métodos para medir o tamanho ideal da televisão. O mais simples deles diz que o usuário deve ficar a uma distância duas vezes maior que a medida da diagonal da tela.

Para fazer o cálculo, o usuário deve multiplicar o tamanho da tela por dois e, em seguida, multiplicar novamente por 2,54, para converter o resultado de polegadas para centímetros. No caso de uma TV de 40 polegadas, por exemplo, a conta deve ser 40 (polegadas) x 2 x 2,54. Portanto, a distância ideal para assistir uma TV deste tamanho é 203 centímetros, ou 2,03m. Confira as distâncias para os principais tamanhos do mercado.

Resolução

Mesmo que a televisão tenha muitas polegas, o que definirá a qualidade é a resolução. O termo calcula quantos pixels a TV consegue exibir, ou seja, quantos pontos são usados para formar a imagem. Por isso, quanto maior a resolução, mais definida será a imagem. Atualmente, o modelo mais comum é o Full HD (ou alta definição total), com resolução de 1.920 x 1.080 pixels – o número calcula a quantidade de pontos na horizontal e na vertical, respectivamente.

LEIA MAIS: Empresa lança televisão que usa ondas sonoras para espantar mosquitos

Em televisões menores, a resolução pode ser apenas em HD, com resolução de 1.280 x 720 pixels. Por outro lado, algumas fabricantes passaram a oferecer ainda mais qualidade. Uma delas é a Ultra HD, também conhecida como 4K . Com 3.840 x 2.160 pixels, a qualidade possui quatro vezes mais definição que as TVs em Full HD.

Alguns modelos contam com resolução em Ultra Full HD, ou 8K . Neste caso, a televisão tem 7.680 x 4.320 pixels e imagem oito vezes mais definida que os aparelhos em Full HD. A TV 8K usa mais de 33 milhões de pontos para exibir imagens e oferece uma ótima experiência para o usuário. Entretanto, engana-se quem espera um preço popular neste modelo de televisão. Os modelos do tipo podem ultrapassar os R$ 100 mil.

Brilho e contraste

As televisões de LED possuem imagens semelhantes por conta da forma como elas são feitas. Apesar disso, é sempre bom se atentar a especificações relacionadas ao brilho e ao contraste. Este tipo de informação é encontrada com mais facilidade no site da fabricante.

O brilho é medido em candelas por metro quadrado (cd/m²). O termo candela representa a luminosidade de uma vela. Portanto, quanto mais candelas por metro quadrado, maior será o brilho da televisão. Em geral, as TVs LED contam com 500 cd/m².

LEIA MAIS: Com foco no brilho e contraste, HDR pode ser o futuro da sua televisão

Responsável por equilibrar o brilho na imagem da TV, o contraste é medido a partir de duas informações: o número máximo de pontos pretos e o número mínimo de pontos brancos na imagem. Por isso, quanto maior o contraste , melhor será a variação de cores da televisão. Por exemplo, se um aparelho oferece contraste de 10.000:1, significa que o máximo de escuridão é de 10.000 pontos. Por outro lado, o mínimo de claridade será de 1 ponto (esse valor é sempre o mesmo). Alguns modelos chegam a oferecer taxas de 3.000.000:1.

Conectividade

Um item que não é tão visível no momento da compra é a conectividade. Entretanto, é o que mais pode atrapalhar o usuário no dia a dia. Antes de escolher uma televisão, verifique quantas entradas o aparelho possui. O ideal é escolher aparelhos que contam com mais entradas para cabos HDMI, formato bastante usado por videogames, home theaters e Blu-ray players.

LEIA MAIS:  Governo federal cogita "bolsa TV" para estimular migração para TV digital

O mesmo vale para entradas USB e as mais antigas, AV e vídeo composto, que podem ser úteis em algumas situações. Outra recurso interessante é ter conexão à internet, preferencialmente Wi-Fi. Alguns modelos são compatíveis com Bluetooth, que permite conectar acessórios à televisão.

Som

Os modelos mais simples oferecem 10 W (watts) de potência. Entretanto, se for possível investir um pouco mais, o ideal é comprar uma televisão com, no mínimo, 20 W, que garante uma boa experiência de áudio durante a exibição de filmes e games, por exemplo.

Se o objetivo é usar um home theater, a diferença da qualidade de som das televisões não é tão evidente. Neste caso, é importante verificar por meio de qual conexão o aparelho ficará ligado à sua TV LED, que precisará ter entradas para cabos HDMI ou para os seis cabos que abrigam o sistema 5.1.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.