Tamanho do texto

Autoridades de Cingapura acompanham de perto a popularização do jogo no país para medir os impactos que o game pode ter no cotidiano da população

Game de realidade aumentada Pokémon Go foi proibido no Irã
Reprodução
Game de realidade aumentada Pokémon Go foi proibido no Irã

O Conselho Superior de Espaços Virtuais do Irã baniu oficialmente o download e o uso do aplicativo Pokémon Go no país. De acordo com a BBC, a instituição alegou que o game causa preocupações com a segurança, sem dar detalhes sobre quais preocupações seriam essas, nem esclarecer quem poderia ter a segurança ameaçada pelo jogo. 

+ Pokémon Go no Brasil faz Detrans lançarem alerta de segurança no trânsito

Apesar de não terem sido muito claroa em seu comunicado, é possível imaginar a quais temores as autoridades iranianas se referem. Muitos jogadores tem passado as noites em claro, caçando Pokémons. Algumas áreas têm sido particulamente frequentadas por centenas de jogadores, causando incômodo aos moradores dessas regiões, e alguns usuários têm sido vítimas de assalto. Muitos deles já foram agredidos ou tiveram os aparelhos levados enquanto caçavam os monstrinhos com o Pokémon Go.

De acordo com a BBC, o Irã cogitava proibir o aplicativo ainda no mês passado, mas autoridades resolveram adiar a decisão para que pudessem tentar discutir potenciais restrições junto do criador do game, o Niantic Labs. Também não se sabe exatamente quais tipos de restrições as autoridades iranianas cogitavam propor (impedir as pessoas de de jogar o game muitas horas por dia, ou banir o jogo de áreas geograficamente sensíveis?)

O Irã é o primeiro país a banir o Pokemón Go, mas o Pokémon Go não é o primeiro game a ser banido no Irã. O departamento de correção de Nova York atualizou recentemente sua lista de atividades consideradas violações de liberdade condicional para criminosos sexuais, e adicionou o download e o uso de qualquer game habilitado pela internet, incluindo o Pokemón Go.

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, disse em um comunicado divulgado em 1º de agosto que "a proteção das crianças de Nova Yorque é prioridade número um, e como ela envolve tecnologia, precisamos garantir que seus avanços não se tornem novos meios de criminosos alcançarem suas vítimas". Segundo ele, "essas medidas fornecerão garantias aos jogadores de games de realidade aumentada e ajudarão criminosos a ficarem longe das crianças".

+ Pokémon Go 'proibidão': game é a nova ferramenta para mandar nudes

Autoridades de Cingapura também estão acompanhando de perto a popularização do Pokemón Go entre seus habitantes para medir os impactos que o jogo pode ter no cotidiano. "Vamos monitorar a situação, a forma como esse jogo está sendo usado e os impactos disso na sociedade", disse o ministro das Comunicações e Informação de Cingapura, Yaacob Ibrahim, em recente entrevista ao The Strait Times.