Tamanho do texto

Associada a boatos na internet, "pós-verdade" foi eleita a palavra de 2016, ano marcado também pela hegemonia do acesso à internet via smartphone

Especialistas apontam influência de boatos na internet, a chamada
Divulgação
Especialistas apontam influência de boatos na internet, a chamada "pós-verdade" na vitória de Donald Trump nos EUA

Em um ano marcado pelas turbulências na política, pelas Olimpíadas no Rio de Janeiro e a tragédia com o avião da Chapecoense, a internet foi, mais do que nunca, espaço para repercussão dos principais acontecimentos. No mundo tecnológico, os destaques ficaram por conta da consolidação do telefone celular como principal plataforma de acesso à internet, o lançamento do iPhone 7, o jogo Pokémon Go e a do termo “pós-verdade” como palavra do ano.

Telefone celular se consolida como principal meio de acesso à internet

Os brasileiros estão cada vez mais conectados. Dados divulgados em setembro pela pesquisa TIC Domicílios apontaram que cerca de 58% da população têm acesso regular à internet. Pela primeira vez, o número de internautas bateu a casa dos 100 milhões.

Um dos maiores responsáveis por esse crescimento são os telefones celulares. Pesquisas do IBGE apontaram que o número de acessos à web por dispositivos móveis ultrapassou o de usuários de computador. Cerca de 89% dos usuários usam telefones para navegar na web.

O crescimento da internet via celular acarretou na queda do uso do computador como meio de acesso. Além de o número de internautas que acessam via computador ter caído para 40%, o número de máquinas nas casas também caiu. Apenas 40% dos usuários de internet têm computadores.

LEIA TAMBÉM:  Como detectar páginas falsas criadas para enganar usuários na internet

Apple lança novo iPhone

Vendido por até R$ 4.899 no Brasil, novo iPhone lançado pela Apple é resistente à água e não tem entrada para fones
Denys Prykhodov/Shutterstock
Vendido por até R$ 4.899 no Brasil, novo iPhone lançado pela Apple é resistente à água e não tem entrada para fones

A Apple anunciou em setembro sua nova linha de smartphones, o iPhone 7 e o iPhone 7 Plus. Os aparelhos chegaram às lojas brasileiras no dia 11 de novembro, com preços entre R$ 3.499 e R$ 4.899.

As principais novidades apresentadas pela empresa fundada por Steve Jobs nos novos aparelhos são a resistência à água nos dois modelos e a perda da entrada para fones de ouvido. Agora, os usuários do novo iPhone precisam substituir os fones de ouvido tradicionais por versões sem fio que funcionam por bluetooth. O acessório custa R$ 1.399 no Brasil.

"Pós-verdade" é a palavra do ano

Depois de selfie (2013) e emoji (2015), a palavra do ano, segundo o dicionário Oxford, foi “pós-verdade” em 2016. O termo, que "denota circunstâncias em que fatos objetivos têm menos peso do que crenças pessoais”  esteve presente no debate político na internet e na divulgação de notícias falsas. A palavra ganhou peso após o resultado das eleições americanas e o referendo que culminou na saída do Reino Unido da União Europeia.

Alguns analistas políticos atribuíram a vitória de Trump e o resultado do Brexit a boatos que circularam na internet. Após escolha da pós-verdade como palavra do ano, gigantes da tecnologia como o Facebook e o Google declararam “guerra aos boatos”. Na prática, nada foi feito ainda, mas a promessa é desenvolver ferramentas de checagem que possam diminuir disseminação de notícias falsas na web.

No Brasil, também foi possível perceber o impacto dos boatos. Na semana em que o impeachment de Dilma Rousseff foi votado no Congresso, uma pesquisa da Universidade de São Paulo (USP) apontou que três das cinco notícias mais compartilhadas na internet eram falsas.

LEIA TAMBÉM:  Empresa japonesa cria "esposa virtual" em holograma para solitários

Pokemón Go e realidade aumentada

Sucesso mundial, jogo Pokémon Go foi o termo mais buscado pelos brasileiros ao longo do ano no buscador Google
Reprodução
Sucesso mundial, jogo Pokémon Go foi o termo mais buscado pelos brasileiros ao longo do ano no buscador Google

Quem também deu o que falar em 2016 foi o jogo Pokemón Go. O termo "Pokemón Go" foi o mais buscada no Google por brasileiros neste ano, o que reflete a popularidade do aplicativo. Lançado em julho, o game inovou ao misturar os personagens do seriado japonês com a chamada realidade aumentada, em que o jogador interage com o ambiente ao seu redor. Apesar do sucesso entre os usuários, o jogo também foi alvo de muitas críticas.

De um lado, defensores do jogo apontaram que o Pokemón Go seria um estímulo para pessoas se exercitarem e sairem de casa, já que é preciso andar para “caçar” os monstros virtuais. Por outro lado, entidades alertaram para dois riscos: o uso excessivo de celulares por crianças e adolescentes e a exposição das pessoas que participam do game a diversos riscos. Alguns casos de assaltos de jogadores de Pokemón Go chegaram a ser relatados.

Passados quase seis meses do lançamento do game, o interesse diminuiu muito. Gráficos do buscador Google mostram que as pesquisas pelo termo Pokemón Go caíram 98% de julho a dezembro.

Televisão, tragédias e Olimpíadas movimentaram as redes sociais

Mensagens em homenagem às vítimas da tragédia com voo da Chapecoense tomaram a internet no fim deste ano
Reprodução/Instagram
Mensagens em homenagem às vítimas da tragédia com voo da Chapecoense tomaram a internet no fim deste ano

Nas redes sociais, os tópicos mais discutidos por usuários foram os mesmos de anos anteriores. No Twitter, o destaque ficou para programas televisivos e acontecimentos como o impeachment de Dilma, o acidente com o avião da Chapecoense e as Olimpíadas do Rio de Janeiro. Hashtags como #forçachape e #chapecoense estiveram entre as mais usadas no ano.

Além de "Pokemón Go”, os termos mais buscados por brasileiros no Google foram relacionados às Olimpíadas, programas televisivos e ao acidente da Chapecoense.

O ano de 2016 também foi marcado pelo destaque que diversos internautas brasileiros ganharam. No Youtube, o piauiense Whindersson Nunes se tornou o dono do canal com maior número de seguidores no mundo. Com vídeos de humor, ele fechou o ano com quase 10 milhões de inscritos. No Snapchat, a maranhense Thaynara OG se tornou a primeira “estrela” brasileira da rede social. O “Snap”, por sinal, foi a rede social que mais cresceu em 2016. Porém, ainda está longe de destronar o Facebook em número absoluto de usuários. Enquanto o Snapchat tem cerca de 150 milhões de usuários ativos, o Facebook tem 1,6 bilhão de internautas que acessam a rede diariamente.

LEIA TAMBÉM:  Impeachment, Lava-Jato e Olimpíadas: os principais momentos do Facebook em 2016

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.