Correntes no Instagram podem fazer você cair em golpes; entenda como

Nas famosas trends do Instagram Stories, muitas pessoas têm deixado seus dados pessoais expostos

Correntes no Instagram podem ser perigosas
Foto: Unsplash/Kate Torline
Correntes no Instagram podem ser perigosas

Depois que a figurinha "Use a Sua" chegou ao Instagram , as trends viralizaram na rede social. Atualmente, é muito comum ver as pessoas compartilhando desafios nos Stories, como publicar a foto favorita, cinco curiosidades sobre a personalidade ou uma imagem do pet.

Algumas dessas correntes, porém, pode ajudar cibercriminosos. Isso porque os usuários acabam compartilhando dados pessoais sem se darem conta dos perigos que isso pode acarretar.

Na trend de compartilhar o Pix, por exemplo, os usuários podem expor CPF ou número de celular. Já na corrente de compartilhar cinco curiosidades sobre você ou sobre seu pet, podem escapar informações importantes que ajudam criminosos a descobrirem uma senha.

Outras correntes ainda incentivam a publicação da foto do WhatsApp, que pode ser usada para aplicar golpes em amigos e familiares, e da tela de bloqueio do celular, que pode revelar informações a partir de notificações.

Jogando contra si mesmo

Todas essas informações, apesar de parecerem simples, podem ser usadas por cibercriminosos para aplicarem golpes digitais. "Só com nome completo e CPF, já é possível fazer muitas coisas, como pedir financiamento e cadastrar para cartão de crédito. Tem uma infinidade de golpes que podem ser aplicados. A criatividade dos golpistas aumenta a cada dia", alerta o advogado especialista em proteção de dados Cauê Batista, do escritório Zilveti Advogados.

Com o número do celular de uma pessoa, por exemplo, um cibercriminoso pode tentar clonar seu WhatsApp; com informações como data de nascimento e nome do pet, pode acabar descobrindo uma senha; com a foto do WhatsApp e alguns contatos, pode se passar por outra pessoa, fingindo que trocou de número. As opções são várias, podendo causar prejuízo financeiro à pessoa que compartilhou informações e a seus familiares e amigos.

Cauê explica que, nesses casos, nem a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) pode ajudar os usuários, já que não se trata de um vazamento de dados coletados pela rede social, mas sim de uma informação que a própria pessoa optou por expor. Fernando Bousso, advogado especialista em proteção de dados do escritório Baptista Luz, concorda, afirmando que "falta uma certa malícia dos usuários".

"A LGPD regula como as outras pessoas e empresas devem tratar os meus dados. Ela não tem muito como ajudar o titular, porque nesse caso quem está divulgando as informações são os próprios titulares. O próprio usuário está indo lá e divulgando seus dados", afirma Fernando.

Como se proteger?

Os especialistas alertam para que os usuários prestem atenção antes de compartilharem informações pessoais na internet. Ter o perfil do Instagram fechado apenas para seguidores ajuda, mas mesmo assim é preciso se prevenir para não cair em golpes. Neste caso, a principal dica é realmente não expor seus próprios dados.

"Ao compartilhar o local em que você está, seu CPF ou outras informações pessoais, a possibilidade de tentarem dar um golpe com seus dados é grande", afirma Cauê.

Além de se proteger, é essencial também ficar atento a possíveis contatos estranhos de amigos, já que outras pessoas podem ter caído em golpes. Se um conhecido pedir dinheiro emprestado, começar a vender produtos no Instagram ou te pedir para pagar um boleto, desconfie. É sempre importante falar diretamente com a pessoa para ter certeza de que se trata dela mesma.

** Dimítria Coutinho atua cobrindo tecnologia há cinco anos, se dedicando também a assuntos econômicos. Antes de trabalhar no iG, era repórter do Ada, um portal de tecnologia voltado para o público feminino. É jornalista formada pela Universidade de São Paulo com passagem pelo Instituto Politécnico de Lisboa.