Tamanho do texto

Aparelho da fabricante nacional é boa opção de custo-benefício, mas tem design um pouco comum demais

Enquanto empresa brasileira, a Positivo tem um enorme desafio quando o assunto é celular: provar que uma fabricante nacional pode competir de igual para igual com as gigantes da Coreia do Sul, da China e dos Estados Unidos. Quando começou a investir nos dispositivos móveis, smartphones e tablet — oficialmente em razão da quedanas vendas dos computadores pessoais —, a Positivo focou nos feature phones, aparelhos mais básicos, quase nada inteligentes. 

Com a migração cada vez mais rápida dos brasileiros em direção aos smartphones, a Positivo teve, mais uma vez, que correr atrás da máquina. Neste ano, surgiu então o Positivo Octa, o topo de linha da marca, mas que quando comparado aos concorrentes, não passa de um intermediário . Isso, porém, não é necessariamente ruim para uma fabricante local que deseja conquistar seus compatriotas. Aparelhos de preços e configurações médias são os que mais vendem atualmente. E que não por acaso escolheu o funkeiro MC Guimê como garoto-propaganda. 

A favor

_ compatível com dois chips
_ câmeras frontal e traseira satisfatórias
_ boa pegada na mão

Contra

_ não é 4G
_ bateria não removível e fraca
_ design padrão demais

Design

Se fosse escolher apenas uma palavra para definir o design do Positivo Octa seria padrão. Não há grandes inovações estéticas, apesar das laterais levemente sestavadas que, verdade seja dita, ajudam a melhorar a pegada do aparelho. Para uma empresa que está entrando nesse mundo, parece uma decisão acertada não ousar no layout do aparelho. A forma que a Positivo encontrou de entregar mais estilo ao clientes que se interessam pelo Octa foi na escolha das cores: além do branco e do preto, há uma opção em dourado. Particularmente, achei que o dourado ficou pouco dourado, lembrando mais um bronze, talvez prejudicado pela proteção de vidro. O preto é mais bonito. 

A inversão dos botões na lateral do aparelho, antes o de liga e desliga, e abaixo o de volume, exige prática do usuário, mas não chega a deixar o aparelho feio. A ausência de botões físicos na parte da frente é uma tendência entre fabricantes que usam Android, porém, considerando que o Positivo Octa é um produto voltado para quem está migrando do feature phone ou comprando seu primeiro smartphone intermediário, colocar algum ícone indicativo talvez fosse uma decisão mais acertada. Até porque o aparelho já tem pequenos pontinhos que acendem para indicar onde estão os botões virtuais... Custava muito ter feito um desenho mais informativo, será?

A entrada do microUSB também está em um local pouco usual, em cima do aparelho, ao lado da entrada do fone de ouvido. De novo, não chega a ser um problema. Já a entrada do cartão microSD ficou na esquerda. 

Configuração

Um marca que coloca no nome do aparelho a quantidade de unidades de processamento é porque confia em seu hardware. De fato, enquanto intermediário, o Positivo Octa com processador Octa Core de 1.4 GH da Mediatek (o MT6592) não deixa a desejar. Nos testes feitos pelo iG , o smartphone ficou na média de outros da mesma categoria. No aplicativo de benchmark AnTuTu, que mede o desempenho do aparelho, foram 27.417 pontos, pouco acima do Galaxy A3, da Samsung. No Quadrant Standart, foram 12.018 pontos, pouco abaixo do K Zoom, também da Samsung.

No Vellamo HTML, que mede o desempenho do navegador, foram 1.529, próximo do também intermediário Zenfone 6, 1.267 pontos no Vellamo Metal, acima do mesmo Galaxy A3, e no Vellamo Multicore, que mede a sinergia entre os núcleos, 686 pontos apenas. Esse número, baixo, atrelado a memória RAM de apenas 1 GB, talvez expliquem o porquê do aparelho travar de vez em quando, especialmente em jogos mais pesados como Dead Trigger. Nada fora do padrão, porém. Apesar da pouca quantidade de RAM, o Positivo Octa possui duas versões de armazenamento: 8 GB e 16 GB, expansível para 32 GB com cartão microSD. Ou seja, dentro da média dos intermediários da categoria como Moto G, por exemplo.

Câmera traseira tem 13 megapixels, enquanto a frontal tem 5 megapixels
Emily Canto Nunes/iG São Paulo
Câmera traseira tem 13 megapixels, enquanto a frontal tem 5 megapixels

Câmeras

As câmeras do Positivo Octa estão dentro do padrão dos mais recentes intermediários Androids: cinco megapixels na frontal e 13 megapixels na traseira. Com flash e zoom digital, a câmera traseira possui ainda funções bem comuns em smartphones, mas não menos importante por isso: detector de rosto, detector de sorriso, efeito de cores, balanço de branco, beleza fácil e HDR.

Nos testes de câmera feitas pelo iG , as fotos saíram com as cores um pouco lavadas, mas com alguns ajustes foi sempre possível chegar em resultados bastante satisfatórios. 

Tela e aúdio

A tela talvez seja uma das características menos atrativas do Positivo Octa. Com 5 polegadas, ela é apenas HD, com 1280X720 pixels de resolução. Para esse tamanho de tela, o ideal, no meu ponto de vista, é Full HD: enche mais os olhos do usuário. em alguns momentos, é possível ver a baixa resolução em pixels mais aparentes.

Em comparação com outros displays, a tela do Positivo Octa apresentou um brilho satisfatório, com um branco mais opaco e puxando para o azul, mas nada fora do que pode ser considerado comum também. 

Se por um lado a tela não empolga, as três saídas de áudio, uma na parte de cima, para receber ligações, e duas na parte debaixo deixa a experiência de ver vídeos e jogar games bem mais interessante. 

Sistema

O Positivo Octa vem com Android 4.4, mas a empresa garante que a atualização para a quinta versão, Lollipop, vai chegar para o aparelho. É um pouco entranho mexer numa versão meio antiga do Android. Foi preciso "puxar na memória" lembranças de como era a cara do sistema operacional até esta versão. De qualquer forma, é possível perceber que a Positivo pouco alterou a interface original, o que em geral é bom. Poucas marcas conseguem melhorar o Android sem piorar seu design, que na versão KitKat já não é das mais bonitas mesmo. A Positivo deixou a plataforma um pouco mais divertida, com ícones fofos, e colocou um papel de parede animado totalmente dispensável.

Um ponto favorável é que a empresa investiu em poucos aplicativos próprios embarcados, sendo que a maioria é interessante para o usuário, como o Mundo Positivo, o conjunto de programas WPS Office e o Opera Mini, que é uma boa opção de navegador. Apps bastante utilizados como WhatsApp e Facebook já vem pré-instalados, o que é bom. Afora isso, vale lembrar que na versão de 8 GB, os 5 GB ocupados pelo sistema operacional e seus aplicativos, acaba deixando pouco espaço para o usuário. Neste caso, a alternativa é compra um cartão microSD para expandir o armazenamento.

Conectividade

Em termos de conectividade, o Positivo Octa pode frustrar quem deseja trocar de aparelho e também de rede móvel. Isso porque mesmo sendo compatível com dois chips, ele só funciona em 3G. Além de Wi-Fi, o aparelho conta com Bluetooth 4.0 e GPS.

No evento de lançamento do Positivo Octa em São Paulo, o vice-presidente de Mobilidade da Positivo Informática, Norberto Maraschin Filho disse que a empresa tem planos de fazer aparelhos compatíveis com a rede 4G, mas quando chegar ao mercado a nova geração de chips, que deve custar menos que os atuais. Além disso, a fabricante acredita que o crescimento da rede 4G se dará mesmo a partir do momento em que a faixa de 700 MHz, hoje ocupada pela TV analógica, começar a ser destinada aos dados do setor de telefonia. Como a ocupação desse espectro deve demorar ainda para acontecer, os planos de trazer 4G para os smartphones da Positivo também ficaram para mais adiante, explicou o executivo na ocasião.

Bateria

A bateria talvez seja um dos grandes problemas do Positivo Octa. Além de não ser removível, ela tem apenas 2.000 mAh. Nos testes intensivos feitos pelo iG , de vídeo rodando com brilho máximo e Wi-Fi ligado, a bateria não chegou às sete horas. No dia a dia, ela aguentou perto das doze horas, mas não foram poucas as vezes que tive que carregar para chegar ao final do dia. Andar com o carregador ou com uma bateria portátil virou lei. O carregador do Positivo Octa não tem um cabo destacável, mas um cabo de dados sobressalente está presente na caixa.

Conclusão

O Positivo Octa está longe de ser um smartphone de ostentação, ainda que seja octa core. Uma especificação só nunca é suficiente para sustentar um aparelho, por melhor que ela seja. O Octa não é um celular topo de linha, mas é um intermediário que não foge dos padrões. Suas câmeras e suas configurações são satisfatórias e devem agradar quem procura por um bom aparelho custo-benefício com design padrão, nada muito ousado. Porém, vale ressaltar que muito embora seja compatível com dois chips, o Octa não está e nem estará preparado para a rede 4G.

Especificações:

Positivo Octa X800
Configurações: tela de 5 polegadas IPS HD com 1280 x 720 pixels de resolução, processador Octa-core MT6592 de 1.4GHz MediaTek, memória RAM de 1GB, armazenamento interno de 8 ou 16 GB (expansível com cartão micro SD para até 32GB), câmeras traseira de 13MP e frontal de 5MP, dois chips, Bluetooth 4.0, GPS, sistema operacional Android 4.4 Kit Kat (com atualização para Android 5.0 - Lollipop em breve), bateria de 2.000 mAh.
Dimensões: Alt.140 mm x Larg. 70 mm x Esp. 7.9mm 
Peso: 150 gramas
Preço sugerido: R$ 849 para 8GB e R$ 899 para 16GB.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.