iG - Internet Group

iBest

brTurbo

NotíciasÚltimo Segundo

18/08 - 12:04hs

Pirataria de livros pela internet aumenta 55% em um ano, diz associação
Só no primeiro semestre de 2010, mais de 24 mil links para download ilegal de livros foram registrados

Claudia Tozetto, iG São Paulo

Apesar de custar menos para as editoras produzir um livro digital do que uma obra impressa, a diferença de preço entre os e-books e livros convencionais é pequena. Ela fica entre 20% e 30%. Esse é um dos fatores que estimulam os donos de leitores de livros digitais, os e-readers, a procurar por opções de e-books gratuitos pela internet. E muitos internautas acabam optando por livros disponibilizados ilegalmente.

Volte para a página inicial desta reportagem

Segundo a Associação Brasileira de Direitos Reprográficos (ABDR), o número de livros digitais publicados ilegalmente na internet aumentou 55% em um ano. No primeiro semestre de 2010, a ABDR registrou 24,3 mil links ilegais. A editora mais prejudicada nesse período foi a GMT (Sextante), com obras disponíveis em 3 mil links. Na sequência aparecem a editora Saraiva, com 1,9 mil links, e a editora Record, com 1,5 mil links.

Fonte: ABDR
Maio registrou maior número de links de livros pirateados

A maioria deles não está mais no ar, diz Dalízio Barros, consultor jurídico da ABDR. A associação mantém uma equipe de cinco pessoas que entram em contato com donos dos sites em que estão as obras ilegais, explicam a lei de direitos autorais em vigor e solicitam a retirada do livro da internet. Em julho, os usuários concordaram em retirar do ar 88% dos links ilegais. A média dos primeiros seis meses de 2010 foi de 92,4%. “É um trabalho que nunca acaba”, diz Barros.

Nem sempre é fácil distinguir um livro de domínio público, que pode ser distribuído livremente na internet, de uma obra pirateada. Os livros de domínio público são obras antigas, que se tornam livres após 70 anos da data de morte do autor. Já no caso de livros mais novos e cujos autores ainda estão vivos, o usuário deve desconfiar. "O usuário não é punido se baixa um livro digital ilegal, mas sim quem o publicou na web", esclarece Barros.

Siga o iG Tecnologia no Twitter Siga o iG Tecnologia no Twitter


? Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Divulgação

cooler e-reader gato sabido

E-readers no mercado brasileiro Confira seis opções para ler livros digitais

AMPLIAR

SETA ESQUERDA

SETA DIREITA

cooler e-reader gato sabido

amazon kindle e-reader

positivo alfa e-reader

tecnoworld novel e-reader

mix e-reader

ipad

publicidade

Contador de notícias