iG - Internet Group

iBest

brTurbo

NotíciasÚltimo Segundo

26/08 - 17:42hs

Virus vindo de pendrive infectou computadores do exército dos EUA

Malware se disseminou a partir de computador no oriente médio, muitos dos computadores continham documentos confidenciais

Geek

por Aylons Hazzud

Em artigo publicado ontem na revista Foreign Affairs, o secretário de defesa dos EUA relata a extensão da contaminação de redes militares em 2008 por um vírus. No relato, ele confirma que um pendrive foi o vetor da infecção de um computador no Oriente Médio, no que viria a se tornar a “mais grave falha de segurança” dos sistemas militares daquele país.

Sistemas de alto sigilo foram afetados, num problema que se tornou, nas palavras de Lynn, o “maior medo de todo administrador de rede: um programa fora de controle operando silenciosamente, destinado a entregar planos operacionais a um adversário desconhecido”. Além de confirmar os relatos oficiosos da época, quando o banimento de pendrives das redes militares dos EUA foi noticiado, o secretário afirma que a invasão foi orquestrada pelo serviço de inteligência de uma nação que ele se recusa a identificar.

O worm conhecido pelo nome agent.btz demorou 14 meses para ser removido completamente da rede, diz blog de segurança Danger Room, da Wired. Segundo o artigo, trata-se de um variente de um malware comum chamado SillyFDC, criado especificamente para se propagar usando pendrives e classificado como pouco perigoso por especialistas em segurança. Justo por isto a sua propagação rápida pelas diferentes redes militares teria evidenciado despreparo dos técnicos da corporação.

A partir da operação de remoção do agent.btz iniciou-se a criação de um novo braço da defesa estadunidene, o CYBERCOM. A nova arma opera no âmbito da internet, e além de proteger redes militares também deve defender sistemas essenciais como os de abastecimento de energia e de comunicação civil. Em seu artigo, o secretário Lynn também não descarta ofensivas virtuais, tendo em vista a velocidade dos ataques na rede e a dificuldade em retaliar, já que nem sempre é possível identificar identificar o agressor online.


? Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Contador de notícias