Misofonia | Por que alguns sons podem ser perturbadores?
Nathan Vieira
Misofonia | Por que alguns sons podem ser perturbadores?

A ciência por trás da sensibilidade sonora ainda é compreendida pouco a pouco pelos especialistas. No entanto, já é possível obter algumas ideias do porquê determinados sons podem ser perturbadores para algumas pessoas, como o famoso caso das unhas passando pelo quadro negro, por exemplo.

Segundo o fonoaudiólogo Jodi Sasaki-Miraglia, um dos diretores da fabricante de aparelhos auditivos Widex, os sons que geralmente causam problemas às pessoas tendem a ser muito altos ou muito agudos, como alarmes ou ambulância.

Fogos de artifício e sons altos de construção também são mais comuns nas queixas, Mas a questão é que a tolerância das pessoas a esses barulhos estridentes pode variar. Assim, é comum que fonoaudiólgos façam testes para descobrir o nível de desconforto de alguém.

-
CT no Flipboard : você já pode assinar gratuitamente as revistas Canaltech no Flipboard do iOS e Android e acompanhar todas as notícias em seu agregador de notícias favorito.
-

Esse teste normalmente faz com que o paciente ouça uma série de sons graves a agudos e julgue o quão altos eles parecem em uma escala de pontuação. A partir dos resultados, o fonoaudiólogo entende o nível do desconforto e pode adaptar quaisquer dispositivos auditivos prescritos de acordo com a necessidade.

Sasaki-Miraglia explicou ao IFL Science que pessoas que apresentam zumbido no ouvido normalmente têm níveis de desconforto de volume (LDL) mais baixos do que o esperado, e que existem várias condições que tornam as pessoas sensíveis aos sons de diferentes maneiras.

Misofonia

Por outro lado, há pessoas que sentem raiva irracional diante de certos ruídos, devido a uma condição cada vez mais conhecida chamada misofonia. Neste ano, uma equipe do King's College London concluiu que uma a cada cinco pessoas sofre de misofonia .

Segundo a Harvard Health Publishing , as pessoas com misofonia tendem a apresentar sinais fisiológicos de estresse muito maiores (aumento do suor e da frequência cardíaca), mas nenhuma diferença significativa foi encontrada entre o grupo que tem a condição.

Os pesquisadores alertam, ainda, que as pessoas que têm misofonia muitas vezes se sentem envergonhadas e não mencionam isso aos profissionais de saúde, e em algumas situações os próprios profissionais de saúde ainda não ouviram falar disso, o que ressalta a necessidade de mais estudos na área, para tornar a condição amplamente conhecida.

Anomalia na conexão cerebral

Enquanto isso, um estudo publicado na revista científica Journal of Neuroscience apontou que a misofonia pode ser anomalia na conexão cerebral . Na ocasião, os pesquisadores mencionaram uma comunicação anormal entre as regiões auditiva e motora do cérebro, descrita ainda como uma 'conexão super-sensibilizada'.

Leia a matéria no Canaltech .

Trending no Canaltech:

    Mais Recentes

      Comentários

      Clique aqui e deixe seu comentário!