Novo produto, que está sendo chamado pela imprensa internacional de iWatch, pode ser feito de vidro curvado e deve funcionar integrado ao iPhone e iPad; Apple não comenta rumores

A Apple pode ter alocado uma equipe de cerca de 100 pessoas focadas em desenvolver um novo relógio inteligente, um dispositivo que pode ser composto de uma tela de vidro curvado com o mesmo sistema operacional encontrado no iPhone e no iPad. De acordo com a agência de notícias Bloomberg , que ouviu duas fontes ligadas ao projeto, a equipe foi formada pela Apple no ano passado e é composta de profissionais que participaram da criação do iPhone e do iPad.

LEIA TAMBÉM:
Óculos inteligentes do Google ganham novos concorrentes
Conheça o Google X, o laboratório secreto do Google

O novo aparelho pode representar para a Apple mais uma inovação capaz de colocar a empresa à frente de grandes concorrentes, como a Samsung e a LG, que já possuem smartphones tecnicamente similares ao iPhone. "O iWatch pode preencher um espaço na linha de produtos da Apple. Assim como outros produtos disruptivos da Apple, seu valor será inestimável no lançamento e ele terá um grande impacto em nossas vidas", escreveu Bruce Tognazzini, consultor em tecnologia e ex-funcionário da Apple, em seu blog.

Os rumores de que a Apple pode lançar um relógio com o sistema operacional iOS surgiram na última semana, quando uma reportagem do jornal The New York Times apontou que os engenheiros da Apple que ficam na sede, na cidade de Cupertino (EUA), estão testando dispositivos feitos de vidro curvado e parecidos com relógios. O produto, se lançado, pode funcionar integrado com o iPhone e iPad e oferecer aplicativos de terceiros, baixados a partir da App Store. Procurada pelo jornal, a Apple não comentou os rumores.

Tecnologia para vestir

Os dispositivos que o usuário pode “vestir”, como óculos e relógios de pulso conectados, devem representar uma boa parte do mercado de tecnologia no futuro. De acordo com a consultoria Juniper Research, em um estudo publicado no início deste mês, o mercado total para estes dispositivos, que inclui aparelhos médicos e corporativos além dos acessórios conectados para pessoas comuns, alcance 70 milhões de unidades em quatro anos.

Os produtos mais populares no futuro, segundo a Juniper, serão aqueles que tiverem funções relacionadas a esportes ou saúde, como aplicativos para monitorar a frequência cardíaca durante uma corrida ou mapas para traçar o percurso da bicicleta. De acordo com o estudo, os aparelhos com estas características devem representar 80% do mercado em 2017. A maior parte das vendas, como normalmente ocorre, deve ficar concentrada nos EUA e Europa.

Concorrentes

Se o suposto relógio de pulso da Apple chegar ao mercado em breve, ele já encontrará alguns concorrentes: em janeiro, a Pebble Technology anunciou seu relógio de pulso conectado, o Pebble . Ele funciona sincronizado por meio de Bluetooth com o iPhone e aparelhos com o sistema operacional Android e permite ver notificações sobre mensagens e chamadas recebidas na tela do relógio, bem como controlar o tocador de MP3 e usar o cronômetro.

Além de outros relógios, o novo produto da Apple pode enfrentar a concorrência dos óculos conectados, como o Project Glass , do Google. Com design futurista, o produto, que já está em fase de testes, permite que o usuário receba notificações em uma pequena tela localizada próxima a um dos olhos, além de receber informações de acordo com o contexto da imagem para a qual está olhando: se olhar pela janela pela manhã, por exemplo, os óculos podem mostrar a previsão do tempo.

Outros óculos conectados que disputarão este mercado com os óculos do Google também foram apresentados durante a Consumer Electronics Show 2013, maior feira de tecnologia do mundo realizada em janeiro, em Las Vegas (EUA). Veja alguns dos modelos lançados abaixo:

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.