Apesar disso, nem todos os canais com visualizações superiores a 10 mil serão monetizados; YouTube vai fazer análise para provar qualificação

Brasil Econômico

YouTube vem aplicando uma série de mudanças nos anúncios após polêmica com conteúdos ofensivos
Divulgação
YouTube vem aplicando uma série de mudanças nos anúncios após polêmica com conteúdos ofensivos

O YouTube anunciou, na última quinta-feira (6), que deixará de colocar anúncios em canais com menos de 10 mil visualizações. Esta medida foi aplicada com a intenção de reduzir a incidência de fraudes, como os canais que roubam conteúdo de outras fontes para ganhar dinheiro.

Leia também: Canais mudam códigos de animes para enganar YouTube e ganhar views

Apesar disso, não serão todos os canais com visualizações superiores a 10 mil que vão poder monetizar seus vídeos com anúncios. Ao atingir esta marca, o criador de conteúdo será avaliado pelo YouTube, que dará ou não o aval para a exibição de anúncios.

“Ao manter o limiar em 10 mil visualizações, também garantimos que haverá um impacto mínimo sobre os nossos aspirantes a criadores. E, é claro, qualquer receita obtida em canais com menos de 10 mil visualizações até hoje não será afetada”, disse a plataforma de vídeos do Google por meio de nota.

A empresa tem aplicado uma série de mudanças nos anúncios devido aos recentes problemas com publicidades que foram colocadas junto de vídeos com conteúdos considerados ofensivos. Por conta disso, a plataforma perdeu grandes anunciantes, como HSBC, Walmart, Starbucks e Walmart. 

Leia também: YouTube aumenta leque de vídeos considerados ofensivos após boicotes

Por isso, as empresas pediram maior controle em relação aos vídeos nos quais suas publicidades são veiculadas. Mesmo assim, a medida de monetizar apenas canais com mais de 10 mil visualizações pode ser considerada pequena. "A maioria desses vídeos vai conseguir mais espectadores do que isso de qualquer maneira", afirmou Jan Dawson, analista da Jackdaw Research.

Também foi informado pela empresa que um novo processo de revisão, voltado aos novos criadores de conteúdo que se inscrevem no programa de parceiros da plataforma, será aplicado nas próximas semanas. Esta parceria permite que os canais façam dinheiro de diversas maneiras com seu conteúdo, o que inclui anúncios e assinaturas, por exemplo.

Leia também: YouTube começa a transcrever aplausos, gargalhadas e músicas nas legendas

Os canais do YouTube que já tinham conseguido qualquer receita, mesmo tendo menos de 10 mil visualizações, não serão afetados. As novas regras começam a valer a partir da próxima quinta-feira (13).


    Leia tudo sobre: YouTube
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.