Executivo reafirmou que Facebook é contra a aprovação dos projetos de lei SOPA e PIPA, porque eles podem "prejudicar a internet"

Depois dos protestos de Wikipedia, Google, Flickr, entre outros, o Facebook se pronunciou sobre os projetos de lei SOPA (Stop Online Piracy Act) e PIPA (Protect Intellectual Property Act), em discussão no congresso americano. "O Facebook se opõe ao SOPA e ao PIPA e vamos continuar nos opondo a quaisquer leis que possam prejudicar a internet", disse Mark Zuckerberg, fundador e CEO do Facebook, em mensagem no seu perfil da rede social.

LEIA MAIS:
Flickr participa de protestos contra lei que pode censurar a web
Mais de 300 sites do Brasil protestam contra SOPA e PIPA
Saiba tudo sobre o SOPA, projeto de lei que pode censurar a web

Após protestos da Wikipedia e Google, Mark Zuckerberg se pronunciou sobre posição do Facebook em relação ao SOPA
Getty Images
Após protestos da Wikipedia e Google, Mark Zuckerberg se pronunciou sobre posição do Facebook em relação ao SOPA
Segundo Zuckerberg, "leis mal pensadas" não podem impedir o desenvolvimento da internet e, por isso, o Facebook está trabalhando há meses com políticos do governo americano para pensar em legislações alternativas para coibir a pirataria na internet, sem que a neutralidade da rede seja afetada. "O mundo de hoje precisa de líderes políticos pró-internet", disse o executivo na mensagem.

O Facebook criou uma fan page oficial para expor sua opinião sobre os projetos SOPA e PIPA. De acordo com a página, o Facebook considera que os projetos de lei em discussão no congresso "não representam as melhores soluções para o problema, por conta dos efeitos colaterais que a legislação pode ter na internet".

O que você acha dos projetos SOPA e PIPA? Opine no fórum.

"Pedimos ao Congresso para não apressar este processo. É importante tomar o tempo necessário para fazer isso direito", diz o Facebook na página oficial sobre o SOPA.

Ainda de acordo com o Facebook, a rede social possui um sistema e uma equipe que monitoram conteúdo postado na rede social que, de alguma forma, infrinja a lei de direitos autorais dos Estados Unidos. "Estamos sempre trabalhando para investir em recursos e ferramentas que ajudem tanto os detentores de direitos autorais, como os usuários da rede social", diz a empresa na página. 

    Leia tudo sobre: facebook
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.