Tamanho do texto

Segundo a Kaspersky Lab, objetivo da campanha é assustar o usuário e forçar a instalação de um novo navegador no celular

Campanha maliciosa vem atingindo usuários brasileiros do Whatsapp
REPRODUÇÃO/WHATSAPP
Campanha maliciosa vem atingindo usuários brasileiros do Whatsapp

Uma campanha que vem sendo disseminada entre usuários do Whatsapp busca forçar a instalação de aplicativos no smartphone. O texto da mensagem pede que o usuário compartilhe a novidade com dez contatos e três grupos para conseguir um suposto pacote de emoticons.

Depois do compartilhamento, o usuário é redirecionado para uma página e um  scareware é oferecido em um alerta que diz que o navegador atual está quase sem memória. Um scareware é um software suspeito ou com benefícios limitados que o usuário instala por engano.

A mensagem sugere a atualização para um novo navegador. Mesmo que o usuário não aceite a instalação, novas mensagens aparecem constantemente na tela para que a atualização seja feita.

Segundo Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky Lab no Brasil, o navegador UC Browser, oferecido nos alertas, é um software legítimo. Para ele, a ação é uma prática antiética para conquistar novos usuários. A mensagem é feita para causar surpresa e passar a percepção de uma ameaça muitas vezes inexistente para que o programa seja instalado.

Para casos assim é importante que o usuário não acredite nas mensagens de erro exibidas pela página má intencionada e não instale nenhum programa que seja oferecido. Outra dica da Kaspersky Lab é manter o navegador móvel sempre atualizado e instalar apenas softwares das lojas oficiais.

Raphael Farinelli Silva, gerente nacional do UC Browser no Brasil, disse que a empresa não endossa essas práticas maliciosas de marketing e já lançou investigação sobre o caso. Os resultados iniciais de nossa investigação sugerem que a campanha maliciosa tem origem numa rede de propaganda aleatória, que conduz várias atividades promocionais não autorizadas ou aprovadas por pela empresa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.