Tamanho do texto

Acidente deixou queimaduras de segundo grau e causou a perda de sete dentes; usuário do aparelho há cerca de um ano prometeu parar de fumar

Apesar de ser cada vez mais comum, o uso de cigarro eletrônico como alternativa para fumantes pode oferecer risco em alguns casos. Neste sábado (14), um usuário relatou que o dispositivo explodiu enquanto ele fumava. O incidente causou a perda de sete dentes e queimaduras de segundo grau. As imagens foram publicadas nas internet pela vítima, que teve de ser levada para uma unidade de tratamento intensivo.

+ "Relaxa sem fumaça": empresa europeia cria cigarro eletrônico de maconha

De acordo com Andrew Hall, morador do estado de Idaho, nos Estados Unidos, o acidente ocorreu enquanto ele fumava no banheiro. "Estava me arrumando para o trabalho quando aconteceu algo que eu não acreditava ser possível", disse em seu perfil no Facebook. Segundo Hall, que ficou com queimaduras no rosto e no pescoço, o acidente deixou pedaços de plástico e outros materiais do cigarro eletrônico  na boca e na garganta.

Incidente com cigarro eletrônico deixou usuário com queimaduras de segundo grau e sete dentes a menos
Reprodução/Facebook
Incidente com cigarro eletrônico deixou usuário com queimaduras de segundo grau e sete dentes a menos

Usuário há cerca de um ano, ele garante que não fez nada que pudesse causar o acidente. "Nunca tive qualquer problema com superaquecimento ou preocupações até o ocorrido. Sei que esses aparelhos ajudam as pessoas a parar de fumar e isso é incrível", disse Hall, na publicação. "Só quero trazer à tona que há a possibilidade deles explodirem a qualquer momento".  O incidente também causou estragos na casa do norte-americano, que prometeu parar de fumar.

+ Cientistas japoneses afirmam ter copiado impressão digital com ajuda de uma foto

"Espero convencer aqueles que fumam a reavaliar ou encontrar outros métodos para fumar", completou. De acordo com o jornal britânico "The Mirror", uma pesquisa feita no Reino Unido revela que cigarros eletrônicos podem realmente ser tão prejudiciais à saúde quanto os cigarros convencionais. O estudo revelou que os dispositivos também podem enrijecer a aorta, uma artéria vital do coração. 

Como funciona um cigarro eletrônico?

Os aparelhos funcionam à base de bateria, que deve ser recarregada. O usuário puxa o ar por um cartucho onde fica a água misturada com um líquido que ocntém substâncias químicas, essências e aromatizantes. Enquanto isso, o aparelho ativa um atomizador que transforma a água em vapor. A fumaça soltada pelo usuário não possui cheiro quando não há essência.

+ Canal faz sucesso destruindo objetos com faca incandescente no YouTube

Apontada como a principal vantagem do cigarro eletrônico na comparação ao convencional, a ausência de danos à saúde dos fumantes passivos não é confirmada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que proíbe a comercialização de aparelhos do tipo no Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.