Tamanho do texto

Em coletiva o presidente da Samsung,DJ Koh, afirmou que empresa reviu seus processos de segurança e que Galaxy S8 será lançado em abril

Brasil Econômico

Após três meses do incidente envolvendo explosões de unidades do Galaxy Note 7, a fabricante Samsung anunciou durante coletiva de imprensa nesta segunda-feira (23) em Seul, Coréia do Sul, os motivos que resultaram em um dos maiores prejuízos da empresa de tecnologia. 

LEIA MAIS: Usuários relatam falhas no Instagram após atualização

Falha na fabricação da bateria de Galaxy Note 7 foi causa de incidentes
Divulgação/samsung.com
Falha na fabricação da bateria de Galaxy Note 7 foi causa de incidentes














Segundo a Samsung, o que causou o recall de 2,5 milhões de aparelhos no mundo todo, foi a bateria de íon-lítio. Segundo a empresa, esse componente foi fabricado sem uma membrana de isolamento, o que permitiu que uma dobra no canto superior do lado direito da bateria fizesse uma dobra, ocasionando assim um curto-circuito no celular. A fabricante afirmou que, não foram todas as unidades do Galaxy Note 7 que mostraram falhas.

Superação

Após o episódio que causou uma perda de US$ 5.209 bilhões à empresa, DJ Koh, presidente da divisão de dispositivos móveis da Samsung Eletronics, declarou que a marca criou uma nova série de processos em seus testes de qualidade, para evitar que defeitos voltem a acontecer em seus produtos.  A empresa afirmou ainda ter adicionado em seu protocolo oitos novas etapas de teste de segurança na fabricação de suas baterias.

A primeira é o teste de durabilidade, depois a inspeção visual, posteriormente  o raio-x, carga e descarga de bateria, teste orgânico volátil, para garantir que substâncias não reajam de maneira inadequada dentro do aparelho. Outra metodologia aplicada para o teste foi o de montagem e desmontagem da bateria, para assegurar que novas dobras e falhas físicas não causem incidentes.

A sétima etapa do processo é a aceleração da bateria, para identificar qual a intensidade que o aparelho é capaz de suportar. O último processo é o teste de tensão do circuito elétrico, para certificar que a recarga do aparelho seja efetuada nas tomadas de volts recomendados pela empresa.

"Por vários meses, juntamente com organizações independentes de especialistas da indústria, realizamos uma investigação completa para encontrar a causa para os incidentes do Galaxy Note 7", Koh afirma. "Hoje, mais do que nunca, estamos empenhados em ganhar a confiança dos nossos clientes através da inovação, que redefine o que é possível em segurança e é uma porta para possibilidades ilimitadas e novas experiências incríveis".

LEIA MAIS: Android One: celular de baixo custo do Google será lançado em outros países

Incidente

Em outubro de 2016, a Samsung suspendeu a fabricação do lançamento Galaxy Note 7. O risco da explosão de bateria foi usado como justificativa para o recall que foi divulgado pelas redes sociais.

O produto chegou a ser vendido em 10 países e a situação foi intensificada após os produtos substituídos também apresentarem irregularidades e riscos. O Galaxy Note 7 não chegou a ser vendido no Brasil.

A nova aposta da Samsung será o lançamento do Galaxy S8 ainda neste primeiro semestre do ano. A previsão de lançado é em fevereiro, mas devido ao novo protocolo – mais demorado e sofisticado –  a empresa optou pelo adiamento do lançamento. A nova previsão é que o Galaxy S8 chegue ao mercado em abril de 2017.


LEIA MAIS: YouTube lança área para conversas em texto e compartilhamento de vídeos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.