Tamanho do texto

Pesquisa evidencia otimismo na inserção de robôs no ambiente de trabalho. A expectativa do trabalhador é de economia no tempo e análise de dados

Brasil Econômico

Pesquisa aponta flexibilidade como principal motivação para inserção de robôs no ambiente de trabalho
shutterstock
Pesquisa aponta flexibilidade como principal motivação para inserção de robôs no ambiente de trabalho

Você já se pegou pensando em como será o ambiente de trabalho no futuro? Se irá trabalhar em um carro voador e terá mais robôs do que seres humanos em sua equipe? Acerca dessas dúvidas, a unidade de inteligência Adobe Digital Insights criou a Future of Work, pesquisa feita com aproximadamente três milhões de menções na internet, para saber o que as pessoas pensam sobre o assunto.

Leia também: YouTube anuncia produção de 40 programas originais

De acordo com os resultados da pesquisa , ao contrário do que muitos alegam, o trabalhador se mostra otimista em relação a essas novas tecnologias, uma vez que acredita que a introdução de robôs no ambiente de trabalho tem ajudado na realização de atividades operacionais, o que deixa mais tempo livre para que os funcionários possam se concentrar em ações mais estratégicas e criativas.

Ainda que o levantamento tenha detectado certa preocupação sobre como robôs e automação podem influenciar negativamente o trabalho,  cerca de 30% das respostas apontam que essas tecnologias podem proporcionar economia de tempo, enquanto 25% expõem a expectativa por uma melhor análise de dados.

“Esse estudo da Adobe traz elementos que mostram que o receio de que máquinas podem fazer tudo sozinhas é muito menor em comparação aos benefícios que o avanço tecnológico já trouxe. Nessa união entre homem e máquina, os trabalhadores estão enxergando que a tecnologia não substitui o lado estratégico e criativo, que é essencialmente humano, e sim abrindo espaço para que deixemos de fazer operações repetitivas”, afirma o vice-presidente da Adobe para América Latina, o  Federico Grosso.

Leia também: Confira 10 dicas para aproveitar todos os recursos de busca do Google

People Analytics

Além dos dados evidenciados acima, a Future of Work mostrou que as áreas mais voltadas às ciências humanas passaram a deter grandes volumes que auxiliam na tomada de decisões, como por exemplo, o People Analytics, que usa uma gama de informações relacionada à pessoa para potencializar os níveis de negócio de uma empresa.

Citados por 44% e 18%, respectivamente, RH e Gestão lideram o ranking de discussão sobre a ferramenta. “A ideia de usar o analytics para recrutar, melhorar o gerenciamento, substituir avaliações de desempenho e melhorar ambientes de trabalho é algo inerente ao futuro do trabalho. Os dados disponíveis devem ser usados não somente a serviço do marketing e para a performance do negócio, mas também internamente com os colaboradores, que são os responsáveis por fazer a máquina funcionar”, ressalta Grosso.

Motivação

Em relação as vontades dos colaboradores, a flexibilidade é considerada a principal motivação, apontando um movimento em direção a “Gig Economy”, tipo de mercado que contempla freelancers e que adota uma rotina de trabalho mais desprendida das obrigações CLT.

Transporte

Por fim, quanto ao transporte, a pesquisa mostrou o Hyperloop e os carros autônomos como preferência dos colaboradores que sonham em se locomover até seu local de trabalho dessa forma, com 1,1 milhão de menções positivas. O Hyperloop por sua vez, agrada as pessoas devido a sua aparência e velocidade espacial, tendo 50% escolhido esse meio de transporte ante aos ônibus e aos táxis. Já em relação às marcas relacionadas aos carros autônomos, Tesla, BMW, Ford, Volvo e GM detém foram as mais citadas pelos internautas. 

Leia também: De olho na Netflix, Facebook deverá lançar dezenas de séries originais em junho

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.