Tamanho do texto

A tecnologia de conectividade, ao invés de ajudar, tem atrapalhado a saúde mental de jovens, segundo pesquisa da Royal Society for Public Health

Estudo realizado pelo Royal Society for Public Health (RSPH) denominado Status of Mind, pesquisou o efeito das redes sociais na saúde mental dos usuários, sendo eles os jovens. Na pesquisa foi identificado que o Instagram é a plataforma que mais causa transtornos em seus usuários, tendo sido identificado um nível maior de ansiedade, depressão, insônia e insatisfação contra a própria imagem.

Leia também: Google destina US$ 600 mil para bolsas de pesquisa; saiba como se inscrever

Instagram: uso exagerado pode ser prejudicial
shutterstock
Instagram: uso exagerado pode ser prejudicial


Para a realização do estudo, além do Instagram , foram pesquisados jovens que estavam sempre conectados ao YouTube, Twitter, Facebook e Snapchat. Foi identificado que, nos últimos 25 anos, problemas como o de ansiedade e depressão tiveram aumento de 75% no período e que esse crescimento foi impulsionado pelo uso constante de redes sociais.

O relatório divulgado pelos pesquisadores identificou que quanto mais os jovens veem seus amigos postando fotos curtindo, de férias, mas eles se questionam o que têm feito de bom na vida, enquanto os demais estão felizes. Essa comparação potencializa sintomas, entre eles o desespero.

Leia também: Para concorrer com YouTube, Facebook planeja lançamento de conteúdos em vídeo

Vício

Foi identificado ainda que as redes sociais tenham potencial para viciar um usuário tanto quanto as drogas lícitas, como o álcool e o cigarro. A consequência do uso exagerado dessas plataformas digitais foi comparada ainda com a insônia ou má qualidade do sono, ciberbulling (que vem sido discutido e combatido em todo o mundo) e uma síndrome que foi identificada como Fear of Missing Out (FoMO), que seria a sensação e o medo de estar perdendo o que acontece nessas plataformas.

O estudo foi realizado com mais de 1.500 jovens do Reino Unido com idades entre 14 a 24 anos. A segunda rede que mais tem impactado a saúde mental dos adolescentes e jovem é o Snapchat, depois vem Facebook, seguido do Twitter e por último o Youtube. Vale ressaltar que esse “ranking” se baseia nas respostas dos participantes da pesquisa que atribuíram notas sobre como as redes o afetam diariamente.

Muitos dos jovens respondentes afirmaram que o Instagram interfere diretamente na forma como eles se veem no espelho. O número significativo de fotos mostrando corpos esculturais, muitas vezes retocados com recursos tecnológicos, faz com que um número crescente de jovens se sintam desconfortáveis com sua imagem, em especial, com os seus corpos.

Leia também: Compra em realidade virtual já é aguardada por 73% dos brasileiros, diz pesquisa

    Leia tudo sobre: Instagram
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.