Tamanho do texto

Sem regulamentação no Brasil quanto à sua qualidade, hoverboards podem ter danos elétricos e até causar incêndios; item exige atenção dos usuários

Brasil Econômico

Presentear familiares ou amigos nem sempre é uma tarefa fácil. A poucos dias do Natal, o Brasil Econômico separou uma lista com sugestões de presentes tecnológicos para quem não pode gastar muito . Neste caso, um dos pontos mais importantes ao escolher o presente para alguém é a segurança. Ainda que muitos eletrônicos vendidos no Brasil contem com certificados que garantem a segurança, outros não precisam dessa revisão. 

Leia também: Quebrou? App ajuda usuário a consertar eletrodomésticos por conta própria

Dispositivos como tablets e computadores, por exemplo, não precisam passar por certificação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Ao contrário do celulares, outros produtos não precisam que suas baterias passem por testes para chegar ao consumidor. Confira abaixo alguns dos eletrônicos que podem oferecer risco aos usuários:

1) Hand spinners

Popular durante 2017, o item chegou a permanecer entre os 20 brinquedos mais vendidos no site da Amazon. Se as partes pequenas presentes em todos os hand spinners já são um grande risco de sufocamento para crianças pequenas, que podem engolir ou até mesmo inalar as peças, o risco é um pouco maior quando o brinquedo é movido à bateria.

Aparentemente inofensivo, hand spinner pode oferecer risco de incêndio por conta de suas baterias de lítio
shutterstock
Aparentemente inofensivo, hand spinner pode oferecer risco de incêndio por conta de suas baterias de lítio

Leia também: Confira 10 sugestões de presentes de Natal tecnológicos por até R$ 999

Neste caso, há o perigo de incêndio por conta da bateria do brinquedo. "O fogo causado mesmo por uma pequena bateria de lítio pode se alastrar de forma rápida e imprevisível", diz Jose Antonio de Souza Junior, gerente de operações da UL do Brasil, empresa especializada em certificações de produtos e segurança.

2) Hoverboards

Logo após serem desenvolvidos, os primeiros hoverboards foram comercializados sem qualquer certificação nos Estados Unidos, país onde rapidamente se tornou uma febre. No entanto, após diversos acidentes com proprietários do brinquedo, uma norma foi lançada no país para exigir o teste dos produtos antes de chegarem aos mercados.

No Brasil, eletrônicos como hoverboards ainda não receberam nenhuma legislação sobre sua qualidade
Wikimedia Commons
No Brasil, eletrônicos como hoverboards ainda não receberam nenhuma legislação sobre sua qualidade

O aparelho também conta com baterias de lítio e pode causar explosões. O Brasil ainda não possui nenhuma legislação específica para certificação deste tipo de produto, o que pode deixar muitos consumidores à mercê de problemas elétricos e ao fogo.

3) Celulares e carregadores piratas

A maioria dos acidentes com celulares ocorre quando há aquecimento excessivo da bateria ou pressão mecânica sobre sua área externa. Souza Junior explica que o risco não é causado apenas pelo fogo, que se propaga de uma célula para toda a bateria, mas também pela projeção de partes incandescentes. Quem garante que esses problemas não acontecerão é a Resolução 481/2007 da Anatel, que consta apenas em aparelhos vendidos legalmente.

Assim como celulares sem certificação da Anatel, o uso de um carregador pirata pode resultar em um acidente fatal
Reprodução
Assim como celulares sem certificação da Anatel, o uso de um carregador pirata pode resultar em um acidente fatal

Leia também: Saiba como apagar as principais informações que o Google tem sobre você

O especialista diz ainda que, ao comprar um carregador pirata, o consumidor pode adquirir um produto que até mesmo cause acidentes fatais. "Há hoje tecnologia suficiente para realizar ensaios e simular situações que evitem fatalidades. A questão é que nem sempre carregadores certificados chegam ao consumidor, o que pode causar até acidentes fatais no pior dos casos e no melhor, danificar o aparelho", explica Souza Junior.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.