Tamanho do texto

Segundo os investidores, a empresa precisa dar mais ferramentas aos pais para evitar o vício de crianças em smartphones

Brasil Econômico

Dois  grandes acionistas pediram para que a Apple estude com mais atenção o impacto do vício em smartphones no desenvolvimento das crianças. Em uma  carta aberta   publicada nesse último sábado (6), eles afirmaram que a empresa  precisa disponibilizar mais ferramentas que auxiliem os pais a garantir que o uso dos dispositivos esteja sendo feito de maneira saudável.

Leia mais:  Apple confirma que diminui a velocidade de dispositivos antigos

O centro de investimentos nova iorquino Jana Partners e o Sistema de Aposentadoria dos Professores Californianos (CalSTRS) acumulam, juntos, cerca de 2 bilhões de dólares em ações da empresa e, além de ativistas contra o vício em gadgets, ambos tem grande influência no mercado norte-americano. Enquanto Barry Rosenstein, fundador do Jana Partners, conseguiu pressionar uma rede de supermercados a ser vendida ano passado, CalSTRS é o segundo maior fundo de pensões públicas dos Estados Unidos.

As pesquisas

Na carta assinada por Rosenstein e pela diretora de governança corporativa do CalSTRS, Anne Sheehan, os dois investidores declaram que trabalharam junto com especialistas em desenvolvimento infantil para achar vínculos entre o uso de dispositivos eletrônicos e efeitos negativos na concentração, saúde emocional, sono e empatia. Um dos estudos citados foi o do psicólogo e professor na Universidade Estadual de São Diego, Jean Twenge, que descobriu que jovens americanos que passavam mais de três horas por dia usando esses aparelhos eram 35% mais suscetíveis a terem pensamentos suicidas do que os que usavam menos de uma hora por dia.

Uma série de pesquisas analisadas pelos investidores comprovavam o vínculo entre o vício em eletrônicos e problemas emocionais em crianças.
Reprodução/ Shutterstock
Uma série de pesquisas analisadas pelos investidores comprovavam o vínculo entre o vício em eletrônicos e problemas emocionais em crianças.














Veja também:  Apple: falha de segurança em processadores também atinge iPhones, iPads e Macs

A necessidade de maior monitoramento por parte dos pais em relação ao que os filhos acessam não é algo novo. A Associação de Psicologia Americana já havia realizado uma pesquisa em 2017 que revelou que 58% dos pais se preocupavam com a influência de redes sociais na saúde física e mental dos seus filhos. Já 48% dos entrevistados disseram que controlar o tempo que os filhos passavam em eletrônicos eram uma "batalha constante". A Apple foi procurada pelo portal de notícias norte-americano Techcrunch mas não se manifestou sobre o assunto.

Leia mais:  Apple ajudou FBI com dicas para desbloquear iPhone de atirador do Texas

É possível achar exemplos dos possíveis danos que a tecnologia pode trazer a jovens até mesmo entre os famosos. A cantora e atriz Selena Gomez, 24, já afirmou que cancelou uma turnê mundial em 2016 por conta de uma terapia contra depressão e baixa autoestima, sentimentos que estariam vinculados com o seu vício em redes sociais (principalmente no aplicativo de compartilhamento de fotos Instagram).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.